112 visualizações 4 min 0 Comentário

A diplomacia energética entra em ação quando Kishida segue para o Oriente Médio

- 14 de julho de 2023

Crédito: Japan Times – 14/07/2023 – Sexta

Em meio a uma perspectiva energética global obstinadamente severa, o primeiro-ministro Fumio Kishida usará sua primeira viagem ao Oriente Médio desde que assumiu o cargo para pedir estabilidade política na região e reiterar a importância de cadeias de abastecimento de energia estáveis.

Após uma viagem de quatro dias à Europa – onde discutiu os interesses compartilhados de Tóquio com a OTAN e a União Européia – Kishida voará para a Arábia Saudita no domingo para uma curta viagem que também o levará aos Emirados Árabes Unidos e Catar.

Apesar da ambiciosa meta do governo de atingir emissões líquidas zero até 2050 e do plano de Kishida de adquirir ¥ 150 trilhões em investimentos públicos e privados para sua iniciativa de transformação verde, Tóquio continua fortemente dependente de combustíveis fósseis e importa 90% de seu suprimento de petróleo do Médio Oriente. Isso torna a região de importância crítica para o Japão, disse Shuji Hosaka, membro do conselho do Instituto de Economia de Energia do Japão.

“Acho que, mesmo que as importações de energia continuem diminuindo no futuro, o Japão ainda comprará petróleo e gás natural do Oriente Médio mesmo depois de 2050”, disse Hosaka. Mas os laços bilaterais precisarão evoluir fora da estrutura de combustível, pois, para o Japão, ajudar esses países a atingir suas metas líquidas de zero será crucial para manter um relacionamento mutuamente benéfico, acrescentou Hosaka.

A Arábia Saudita, principal fornecedora de petróleo do Japão, depende do petróleo para mais de 60% de suas receitas estatais e estabeleceu uma meta para atingir emissões líquidas zero até 2060. A meta dos Emirados Árabes Unidos é chegar a zero emissões líquidas até 2050.

Um grupo de líderes empresariais de cerca de duas dezenas de empresas japonesas se juntará a Kishida na visita.

O Japão pretende apoiar esses países em seus esforços para diversificar suas economias do petróleo, garantindo fluxos estáveis ​​de energia para o arquipélago, disseram funcionários do Ministério das Relações Exteriores.

O papel de Tóquio no Saudi Vision 2030 – um grande projeto de Riad para promover a Arábia Saudita como uma potência econômica e geopolítica – estará no topo da agenda da reunião bilateral entre Kishida e o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman, agendada para a noite de domingo.

Apesar da ira dos grupos de direitos humanos, os líderes globais estão migrando para a Arábia Saudita e o regime do príncipe herdeiro vem ganhando influência no exterior. Um relatório de inteligência dos EUA divulgado em 2021 determinou que o príncipe herdeiro aprovou o assassinato em 2018 do jornalista Jamal Khashoggi , um crítico vocal do regime saudita, no consulado do reino em Istambul.

Foto: Japan Times (O primeiro-ministro Fumio Kishida dá uma entrevista coletiva durante a cúpula UE-Japão em Bruxelas na quinta-feira. | REUTERS)

Comentários estão fechados.