Início Destaques Home Topo Advogados sul-coreanos visitam empresa do Japão para exigir danos trabalhistas

Advogados sul-coreanos visitam empresa do Japão para exigir danos trabalhistas

390
0
O governo japonês pediu à Nippon Steel para não cumprir a decisão sul-coreana. A empresa ainda não esclareceu sua postura até o momento. Foto: Goo ブログ

TÓQUIO (Kyodo) – Advogados representando quatro sul-coreanos, que recentemente receberam indenizações por parte do principal tribunal do país, por trabalho forçado durante o governo colonial, foram rejeitados na segunda-feira quando visitaram uma siderúrgica japonesa em Tóquio para exigir a indenização.

Depois que um pedido para realizar uma reunião foram rejeitados pela Nippon Steel & Sumitomo Metal Corp., Kim Se Un. Um dos advogados, disse a repórteres que eles “iniciarão procedimentos para confiscar” os ativos das afiliadas da empresa japonesa na Coréia do Sul, como uma maneira de garantir danos.

Os advogados e partidários dos demandantes planejaram entregar um documento pedindo à Nippon Steel que cumpra a decisão final emitida em 30 de outubro. O principal tribunal da Coréia do Sul ordenou que a companhia pagasse um total de 400 milhões de won (US $ 350.000) aa quatro vítimas de trabalho forçado, durante o domínio colonial da península coreana entre 1910 e 1945 no Japão.

Os advogados foram recebidos por um segurança na recepção que leu uma mensagem dizendo que a empresa acredita que a decisão “vai contra” a posição do governo japonês de que, a questão da compensação foi resolvida sob um acordo bilateral de 1965.

Os advogados desistiram de enviar o documento e deixaram o prédio depois de fazer outro pedido para uma reunião.

“Estamos decepcionados com o fato de a empresa ter feito o guarda de segurança, que não era nem funcionário, ler a declaração e nos entregar na porta”, disse Im Jae Song. Ele disse que os ativos que os demandantes planejam apreender, incluirão ações das empresas relacionadas da Nippon Steel.

“Três dos quatro queixosos já morreram. Continuaremos … a pedir que a empresa cumpra a decisão como uma empresa em um país de direito”, acrescentou.

O governo japonês pediu à Nippon Steel para não cumprir a decisão sul-coreana. A empresa ainda não esclareceu sua postura até o momento.

Naoyoshi Yamamoto, secretário-geral de um grupo japonês de apoio aos trabalhadores forçados na ação, que acompanhou os advogados sul-coreanos, disse: “As vidas dos queixosos foram destruídas pelo trabalho forçado. Quero que a empresa enfrente o fato e ofereça um pedido de desculpas. ”

O chefe do gabinete, Yoshihide Suga, disse em coletiva de imprensa, no mesmo dia em que o governo não fez comentários sobre a visita dos advogados.

Ele também disse que o governo japonês está pedindo ao governo sul-coreano que tome “medidas apropriadas imediatamente” para corrigir o que chama de uma situação que equivale a “uma violação da lei internacional” criada por meio da decisão do tribunal.

Fonte: Mainichi Shimbun

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here