131 visualizações 13 min 0 Comentário

Arranhe um irmão técnico e você encontrará um macaco pelado

- 14 de julho de 2023

Crédito: Japan Times – 14/07/2023 – Sexta

Era comum no mundo pré-moderno que os campeões de exércitos rivais se envolvessem em combates diretos – daí as histórias de Paris e Menelau na “Ilíada” de Homero e Davi e Golias na Bíblia.

Em 1520, Henrique VIII da Inglaterra e Francisco I da França desabafaram durante as negociações de paz no “Campo do Pano de Ouro” em uma luta livre. (Henry perdeu apesar de seu peso superior.) Em 1593, o rei Naresuan da Tailândia e o príncipe herdeiro Mingyi Swa da Birmânia resolveram uma batalha com um duelo em seus elefantes de guerra. (O rei venceu.)

Agora, essa prática está sendo revivida no coração do mundo moderno: os rivais de longa data Elon Musk e Mark Zuckerberg estão envolvidos em negociações para uma luta em uma gaiola, com Las Vegas e o Coliseu de Roma apontados como um possível local.

Poucas pessoas sérias pensam que a disputa rancorosa acontecerá (embora o pessoal de relações públicas e as empresas de apostas estejam fazendo o possível para atiçar a história). Mas, se isso acontecer, Zuckerberg sem dúvida triunfará.

Zuckerberg parece terrivelmente em forma, a julgar pelas selfies que gosta de postar – seus ombros são musculosos e seus antebraços protuberantes. Musk parece rechonchudo em contraste. Zuckerberg pode completar o Desafio Murph (em homenagem a um SEAL da Marinha que perdeu a vida no Afeganistão em 2005) em 40 minutos: uma corrida de milha, 100 flexões, 200 flexões, 300 agachamentos e outra corrida de milha – tudo enquanto usa um colete de 20 libras. Ele também é um praticante campeão de jiujitsu brasileiro (uma variedade de judô). O regime de exercícios de Musk pode ser educadamente descrito como modesto em comparação. “Eu tenho esse grande movimento que chamo de “The Walrus”, onde apenas deito em cima do meu oponente e não faço nada”, tuitou Musk.

Musk conseguiu fazer algo extraordinário com sua má administração do Twitter (ele até tentou racionar o acesso a uma instituição que engorda com conteúdo gratuito fornecido pelos usuários) e levantou a questão de uma briga de jaula: fazer Zuckerberg parecer legal. Ainda outro dia o CEO da Meta era mais conhecido por invadir privacidade e apostar forte em um metaverso que ninguém queria entrar. Agora ele é o salvador musculoso da mídia social. Ainda assim, o absurdo do jogo da gaiola também ilumina o estado peculiar das elites tecnológicas que fazem tanto para moldar nossas vidas.

O que poderia dizer “macho” mais alto do que uma partida de jaula? Em 2018, Emily Chang, da Bloomberg, publicou “Brotopia: Breaking Up the Boys’ Club of Silicon Valley”, no qual ela narrou como o Vale do Silício é ainda mais dominado por homens do que Wall Street. As empresas do Valley aplicam vários “filtros de irmãos” no recrutamento de talentos – inicialmente favoreceram os “nerds”, mas depois mudaram para os tipos alfa.

Os Bros se comportam como adolescentes assim que obtêm algum sucesso. Zuckerberg tinha cartões de visita no Facebook proclamando: “Sou o CEO … vadia”. Musk comemorou seu primeiro grande pagamento comprando um carro esportivo McLaren F1, que pode fazer 240 milhas por hora, e quase matou a si mesmo e seu passageiro, Peter Thiel, quando tentou demonstrar seu desempenho. Apesar do apelo de Chang por um “rompimento”, a cultura parece a mesma hoje de 2018.

E o que poderia dizer “culto à personalidade” com mais clareza do que o alarido que cercou a luta na jaula? Os CEOs de tecnologia estão longe de ser os “líderes servidores” que os gurus da liderança gostam de elogiar. São celebridades que atraem o máximo de publicidade possível. Eles medem seu sucesso pelo número de “seguidores” que têm nas mídias sociais e pelo número de pessoas que empregam.

Musk é o mestre nisso com seus 145 milhões de seguidores no Twitter e seu vício em golpes publicitários, como fumar maconha em um podcast com Joe Rogan (outro tipo de irmão) e dar nomes estranhos aos filhos. Mas outras figuras do Valley, como Peter Thiel e Jeff Bezos, também desfrutam de seguidores de culto, que eles constantemente alimentam com declarações estranhas, no caso de Thiel, e lançamentos de foguetes, no de Bezos.

Zuckerberg não está sozinho em sua obsessão pela boa forma física. Os geeks não usam mais camisetas disformes para anunciar sua indiferença à aparência física (e higiene). Hoje, as camisetas são usadas justas para mostrar seus braços e torsos esculpidos. Tim Cook, CEO da Apple, é um “rato de academia” confesso que sobe na esteira às cinco da manhã. Sergey Brin, co-fundador do Google, leva seu corpo ao limite com uma vertiginosa variedade de esportes: pára-quedismo, patins, hóquei em patins, “ultimate frisbee” e trapézio voador. As ruas de São Francisco estão repletas de sem-teto, com academias anunciando o mais recente regime de saúde.

Essa preocupação com a forma física está ligada a uma preocupação mais geral com a auto-otimização: os tipos Valley querem tornar suas “máquinas operacionais” pessoais mais eficientes, assim como querem tornar as máquinas operacionais de seus computadores mais rápidas e melhores. O Valley é o centro mundial de “extensão da vida” – com “cientistas da longevidade” bem remunerados divididos entre “promotores de saúde” (que apenas querem prolongar o tempo em que podemos viver vidas saudáveis) e “imortalistas” (que pensam podemos viver para sempre).

O mundo da tecnologia está cheio de pessoas que tomam pílulas, cheiram pós e ingerem poções para melhorar sua saúde. Ray Kurzweil, o líder de torcida da singularidade, supostamente toma 100 comprimidos por dia. Um grupo significativo também toma várias drogas que expandem a mente para aguçar suas percepções – uma microdose de LSD supostamente dá a você uma vantagem mental da mesma forma que um “snifter matinal” supostamente fazia nos dias de Bertie Wooster.

Jack Dorsey, o empreendedor em série que fundou o Twitter, é celebrado no Vale por buscar um regime físico extraordinário que vai muito além de alguns exercícios. Ele começa o dia com uma sauna infravermelha e um banho de gelo, caminha oito quilômetros até o trabalho, só come uma refeição por dia e jejua nos fins de semana (“o tempo diminui”, diz ele, para surpresa de ninguém).

Os tipos de tecnologia, sem dúvida, se envolvem em toda essa atividade física para melhorar as coisas que fazem suas fortunas – suas mentes. O velho ditado vitoriano/latino mens sana in corpore sano (“uma mente em forma em um corpo em forma”) funciona tão bem para o Império do Silício quanto funcionou para o Império Britânico. Mas há mais do que apenas otimização mental para a atual obsessão com o corpo. Há uma sensação de vingança. A divisão mais antiga do ensino médio americano é entre atletas e nerds. Os atletas ficam com toda a glória e as meninas. Os nerds levam um chute de areia na cara. Hoje, os nerds que se tornaram CEOs estão empenhados em entregar aos atletas uma dupla humilhação: ganhar todo o dinheiro do mundo e, ao mesmo tempo, desenvolver corpos perfeitos.

Há também uma sensação de reconexão com algo primordial. Liderança não é apenas ver mais longe do que seus rivais. Trata-se de exercer domínio físico sobre os outros. Uma riqueza de literatura de pesquisa sugere não apenas que estamos mais inclinados a seguir tipos fisicamente superiores – pessoas mais altas têm maior probabilidade de ganhar cargos de liderança do que nós, tipos mais baixos, por exemplo. Isso sugere que, uma vez que as pessoas assumem papéis de liderança, elas adotam posturas dominantes e exercem seu peso. Os chefes se espalham atrás de grandes mesas, ficam eretos ao falar com os subordinados e falam em frases declarativas.

Em seu recente “The Age of the Strongman” (2022), Gideon Rachman, do Financial Times, argumenta que sua tese é verdadeira tanto literalmente quanto metaforicamente. Vladimir Putin gosta de posar de peito nu para caçar e pescar. Xi Jinping se orgulha de sua estatura impressionante. Erdogan organizou uma partida de futebol na qual marcou um hat-trick. Os partidários de Narendra Modi se gabam de que ele tem um peito de 56 polegadas. “The Age of the Strongman” claramente se estende ao enclave mais cerebral – e liberal – do mundo, bem como às suas regiões populistas.

Podemos destacar nossas credenciais educacionais quando estamos tentando ser contratados, principalmente no mundo da tecnologia. Podemos passar nossos dias presos em um mundo virtual, cortesia do Vale do Silício. Mas, por baixo de tudo, ainda não passamos de macacos nus – desfilando na frente de nossos rivais e flexionando nossos músculos se os tivermos (ou sonhando em flexionar nossos músculos se não os tivermos) em uma competição sem fim de física. gamemanship.

Foto: Japan Times (A ideia de “uma mente sã em um corpo são” está muito viva entre os tipos de tecnologia do Vale do Silício de hoje. | GETTY IMAGES)

Comentários estão fechados.