89 visualizações 4 min 0 Comentário

Austrália reformará vistos, afetando estudantes globais e brasileiros

- 16 de janeiro de 2024

A administração de Albanese na Austrália implementará mudanças significativas no sistema de vistos para estudantes internacionais, afetando a comunidade estudantil global, inclusive muitos brasileiros com aspirações de estudar no exterior.

Na última segunda-feira, o governo australiano anunciou planos para diminuir o número de estudantes de outros países que ingressam em suas instituições nos próximos dois anos, além de reformar o que o primeiro-ministro Anthony Albanese descreve como um sistema de vistos “ineficiente”.

As reformas propostas pelo governo Trabalhista incluem a introdução de padrões mais elevados de proficiência em inglês para aqueles que buscam educação na Austrália.

Nova legislação também está sendo preparada para intensificar a fiscalização na renovação de vistos de estudo, segundo declarou Claire O’Neil, ministra do Interior.

O objetivo das mudanças, conforme expresso por O’Neil e corroborado pela agência Reuters, é “restaurar os níveis de migração para parâmetros considerados normais”.

A necessidade de reforma imigratória surge em meio a um ingresso recorde de estrangeiros. No intervalo entre os anos de 2022 e 2023, houve cerca de 510.000 novos pedidos de visto, e o governo almeja cortar esses números em até 25%.

Após dois anos de políticas restritivas devido à pandemia da COVID-19, a reabertura das fronteiras australianas trouxe um surto na entrada de estudantes internacionais, mas também resultou em consequências como o aumento nos preços dos imóveis e pressão sobre os serviços públicos.

Alexandre Pucci, CEO da Information Planet e vice-presidente da Abraseeio, pontua que a saturação do mercado imobiliário e a inflação resultante desencadearam críticas à política migratória atual.

A qualidade do ensino também está sob escrutínio, com preocupações de que novas instituições de baixo custo não estejam preparando os estudantes para o mercado de trabalho australiano, uma questão destacada por Pucci.

A educação é vista como o vetor principal para a integração e qualificação de profissionais em setores deficitários no país, tais como tecnologia, contabilidade e engenharia.

Um novo sistema de pontuação para a imigração está sendo proposto para garantir que apenas os candidatos mais qualificados recebam vistos de residência. Marcelo Gondim, especialista em imigração, explica que o critério de seleção será mais rígido, exigindo que os candidatos acumulem mais pontos para conseguir a aprovação.

Em breve, a Austrália planeja introduzir um novo tipo de visto de trabalho com critérios ajustados, incluindo uma idade máxima mais baixa e requisitos de proficiência em inglês mais elevados, além de três novas categorias de visto, focadas em habilidades especializadas, principais e essenciais, com diferentes faixas salariais e restrições.

Pucci salienta que este novo visto será voltado para imigrantes que buscam empregos diretamente, permitindo que eles permaneçam na Austrália e iniciem o processo de imigração.

Esses desenvolvimentos refletem a tendência de uma opinião pública cada vez mais cética em relação à imigração, com uma pesquisa do Sydney Morning Herald indicando que 62% dos eleitores australianos consideram os níveis de imigração excessivamente altos.

Comentários estão fechados.