150 visualizações 3 min 0 Comentário

Consequências indesejadas no setor de pesqueiro já começaram

- 25 de agosto de 2023

A indústria pesqueira do Japão está sendo atingida pela queda dos preços e pela crescente incerteza depois que o governo chinês proibiu os produtos marinhos do país em resposta à sua liberação de águas residuais da usina nuclear de Fukushima No. 1 no Oceano Pacífico.

A China é o maior mercado de exportação de frutos do mar japoneses, ¥ 87,1 bilhões ( $ 600 milhões ) no ano passado.

O preço médio do atum Aomori fresco no mercado de Toyosu, em Tóquio, caiu 24% em 25 de agosto do dia anterior, para ¥ 9.383 por quilograma, de acordo com dados publicados no site do Mercado Central de Atacado Metropolitano de Tóquio. Fonte não oficial revela que uma empresa de Hokkaido especializada em exportações para a China e Hong Kong planeja encerrar e demitir sua equipe de 20 pessoas.

A reação da China reflete preocupações públicas, embora a Agência Internacional de Energia Atômica tenha dito que a medida está alinhada com os padrões globais de segurança e teria um impacto insignificante nas pessoas e no meio ambiente.

Gen Komori, presidente da Housen, uma empresa comercial sediada em Tóquio especializada em produtos da pesca, disse que agora que as exportações para a China foram cortadas, a empresa precisa voltar sua atenção para a Europa, Estados Unidos e Sudeste Asiático.

“É difícil, mas temos que tentar, ” ele disse. “As empresas que exportam exclusivamente para a China não têm nada que possam fazer. ”

Um representante da Hashiguchi Suisan, que cultiva e processa rabo-amarelo e atum na província de Nagasaki, disse que a empresa exporta cerca de um décimo de seu volume total para a China, e que a medida mais recente eliminará as vendas em centenas de milhões de ienes. Ele espera que o governo japonês considere uma política para compensar os pescadores pela manutenção e outros custos envolvidos na manutenção de peixes.

De acordo com o banco de dados Teikoku, com sede em Tóquio, 727 empresas japonesas exportam produtos alimentícios para a China, representando cerca de 8% de todas as empresas japonesas que enviam mercadorias para a China.

As exportações de peixe fresco para a China já começaram a declinar em julho, quando a China reforçou os padrões de inspeção, diz o analista de pesca Momoo Odaira. Mas desta vez, produtos congelados e alguns produtos processados também estão sendo cortados do vasto mercado da China.

Kazuma Kishikawa, economista do Instituto de Pesquisa Daiwa, disse que metade das exportações de pesca do Japão vai para a China, Taiwan e Hong Kong, e que os pescadores perderiam 50% de suas vendas no exterior, o que seria um “golpe considerável”.

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.