67 visualizações 8 min 0 Comentário

Defesa de ‘vítima’ da Igreja para complicar julgamento de assassinato de Abe

- 23 de janeiro de 2023
Estamos há mais de 20 anos no mercado contratando homens e mulheres até a 3º geração (sansei) com até 65 anos, casais com ou sem filhos para trabalhar e viver no Japão, temos mais de 400 vagas e parceria com +50 empreiteiras em diversas localidades. Auxiliamos na emissão do Visto Japonês, Documentos da Empreiteira, Certificado de Elegibilidade, Passagem e mais. Contate-nos via WhatsApp para mais informações sobre empregos no Japão: (11) 95065-2516 📲🇯🇵✨ ©𝐍𝐨𝐳𝐨𝐦𝐢 𝐓𝐫𝐚𝐯𝐞𝐥.

Após sua acusação, espera-se que os procedimentos pré-julgamento contra o suposto atirador de Shinzo Abe apresentem questões difíceis, com sua defesa provavelmente tentando compensar o choque sobre o primeiro assassinato de um líder japonês do pós-guerra, descrevendo o réu como uma “vítima” de um grupo religioso que arruinou sua família financeiramente.

Tetsuya Yamagami foi acusado em 13 de janeiro pelo assassinato de Abe – o primeiro-ministro mais antigo do Japão – durante um comício de campanha eleitoral em julho do ano passado, bem como por violar a lei de controle de armas de fogo por estar de posse de uma arma caseira.

Yamagami disse aos investigadores que guardava rancor contra a Igreja da Unificação, um grupo originalmente fundado na Coreia do Sul, e tinha como alvo Abe porque ele era neto do ex-primeiro-ministro Nobusuke Kishi, que ajudou o grupo a entrar no Japão, segundo fontes investigativas.

Desde então, a igreja está sob intenso escrutínio por suas ligações com vários políticos do Partido Liberal Democrata, com alegações de que apoiou suas campanhas eleitorais.

Espera-se que a equipe de defesa de Yamagami se concentre em circunstâncias atenuantes, enquanto os promotores provavelmente buscarão a pena capital, argumentando que o ataque ameaçou o processo democrático, dizem especialistas jurídicos. Eles também observam que, devido à presença de membros do público no comício, outras pessoas podem ter se ferido.

A natureza complicada do caso pode prolongar os procedimentos pré-julgamento entre os promotores, o advogado de defesa de Yamagami e o tribunal, com o julgamento possivelmente não ocorrendo até o próximo ano, dizem alguns especialistas jurídicos.

Yamagami nasceu em 1980 para uma mãe de uma família rica. Mas seu pai se suicidou em 1984. Sua mãe ingressou na Igreja da Unificação, conhecida por seus casamentos em massa e solicitações agressivas de doações, por volta de 1991.

Sua mãe então doou uma grande quantia em dinheiro para o grupo religioso, fundado por um ferrenho anticomunista sul-coreano em 1954. Ela usou o dinheiro do seguro de vida após a morte do marido e vendeu as terras que herdou do pai para fazer grandes doações para o grupo, formalmente conhecido como Federação da Família para a Paz e Unificação Mundial.

A mãe entrou com pedido de falência pessoal em 2002 depois de ter doado mais de ¥ 100 milhões (US$ 784.000) no total, levando a família a problemas financeiros e emocionais.

Yamagami, 42, frequentou uma prestigiada escola secundária na província de Nara, mas desistiu de ir para a universidade por causa da situação financeira da família. Ele ingressou na Força de Autodefesa Marítima em 2002.

Tetsuya Yamagami é levado a uma delegacia de polícia de Nara em 10 de janeiro, quando um período de avaliação psiquiátrica terminou antes de ele ser indiciado em 13 de janeiro. |  KYODO
Tetsuya Yamagami é levado a uma delegacia de polícia de Nara em 10 de janeiro, quando um período de avaliação psiquiátrica terminou antes de ele ser indiciado em 13 de janeiro. | KYODO

Yamagami tentou o suicídio em 2005. Ele supostamente esperava poder ajudar seu irmão mais velho e sua irmã mais nova com o dinheiro de sua apólice de seguro de vida.

Seu irmão, que sofria de câncer na infância, passou por cirurgias e ficou cego de um olho antes de tirar a própria vida em 2015.

“O réu também é uma vítima”, disse uma pessoa próxima à equipe de defesa. A alegação veio quando o público se concentrou na situação dos chamados membros de segunda geração da igreja, que muitas vezes sofrem com a pobreza, negligência e tentativas de forçá-los a compartilhar a fé de seus pais.

Movido pelo infortúnio da infância de Yamagami, um grupo cívico exigindo uma sentença branda para ele organizou uma petição no Change.org, atraindo cerca de 13.000 assinaturas.

“Muitas pessoas ficam desesperadas devido à fé religiosa de seus pais”, disse Kei Saito, chefe da organização, chamada The Group Calling for a Reduced Sentence for Mr. Tetsuya Yamagami, em entrevista coletiva após o indiciamento.

O réu recebeu cartas, presentes e alimentos de apoiadores desde que foi detido, segundo seu tio. Houve até doações totalizando mais de ¥ 1 milhão.

“Existem circunstâncias que devem ser consideradas em relação ao réu. É verdade que o incidente salvou outros chamados membros religiosos de segunda geração”, disse um ex-promotor.

De acordo com a acusação, Yamagami atirou em Abe em 8 de julho de 2022, à queima-roupa na cidade de Nara. Duas balas atingiram o braço esquerdo e o pescoço de Abe, fazendo-o morrer devido à perda de sangue. Abe estava fazendo um discurso de campanha dois dias antes da eleição da Câmara dos Conselheiros.

Como a posse de armas é estritamente controlada no Japão, que se orgulha de ser uma sociedade segura, o tiroteio fatal teve um impacto profundo na sociedade.

Líderes de todo o mundo também expressaram choque e indignação, condenando o ataque.

Apesar de sua simpatia, o ex-promotor acredita que é improvável que o tribunal seja indulgente, observando que uma arma foi disparada em uma reunião pública, potencialmente colocando outras pessoas em perigo.

“Seria apropriado definir (o tiroteio) como um ‘ato de terror’ e presumo que (as circunstâncias pessoais de Yamagami) não influenciarão muito a decisão do tribunal sobre o grau de punição”, disse o ex-promotor.

Comentários estão fechados.