156 visualizações 4 min 0 Comentário

Empresas japonesas irão reduzir o investimento na China

- 16 de outubro de 2023

As empresas japonesas na China consideram a situação econômica sombria. Um quarto dos entrevistados disse que não investiria na China este ano, enquanto outros 22% disseram que reduziriam o valor que investem. As empresas japonesas são um dos maiores grupos de investidores estrangeiros na China, e a sua relutância em aumentar os gastos é mais um obstáculo para uma economia que já está em dificuldades este ano.

Mais de metade das empresas japonesas que fazem negócios na China viram as suas receitas e lucros caírem no último trimestre, um fator que está a tornar as empresas japonesas mais cautelosas quanto ao investimento na China. Muitas empresas citaram a redução da procura interna como a principal razão por detrás do declínio.

Este abrandamento acrescenta-se a uma lista de fatores que tornaram as empresas japonesas menos propensas a gastar na China. Outras questões incluem restrições às viagens devido à pandemia, o aumento do sentimento discriminatório ao japonês na China e as tensões bilaterais agravadas pela prisão de um executivo de uma empresa farmacêutica japonesa este ano.

O antigo ministro dos Negócios Estrangeiros, Yohei Kono, pediu ao primeiro-ministro da China que melhorasse o ambiente geral para as empresas japonesas no país, no que parecia ser uma crítica indireta à situação durante uma visita a Pequim em julho.

Desde então, o governo chinês anunciou um plano de 24 pontos para atrair mais investimento estrangeiro. Mas a comunidade empresarial ainda aguarda que o governo chinês forneça detalhes sobre como a maior parte destas medidas serão implementadas, segundo Tetsuro Homma, presidente da câmara. As únicas duas mudanças até agora foram uma extensão dos incentivos fiscais para funcionários estrangeiros e um melhor acesso aos vistos chineses, disse ele.

O relatório não continha dados sobre as razões pelas quais muitas empresas não estavam dispostas a aumentar os seus investimentos na China, mas incluía alguns comentários representativos.

Separadamente, o aumento dos custos laborais foi citado por dois terços das empresas como uma questão importante para os negócios, com 56% dos fabricantes e 72% dos não fabricantes a afirmarem que a situação internacional também era um problema. No entanto, mais de 70% das empresas afirmaram que foram tratadas da mesma forma que as empresas chinesas.

As relações bilaterais entre a China e o Japão permanecem tensas. Pequim criticou a libertação de águas residuais nucleares tratadas pelo Japão no Oceano Pacífico e vê o aumento dos laços militares de Tóquio com os EUA, a Coreia do Sul e outros parceiros como uma tentativa de cercar a China. Tóquio também assinou uma declaração do Grupo dos Sete em Maio que apoiava a redução de riscos – uma política vista por Pequim como destinada a conter o desenvolvimento da China.

Por seu lado, Tóquio está descontente com a intrusão de navios da guarda costeira chinesa em águas reivindicadas por ambos os lados, mas controladas pelo Japão, e com as ações militares cada vez mais agressivas da China em torno de Taiwan.

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.