146 visualizações 5 min 0 Comentário

EUA-Japão-Coreia do Sul fazem exercícios aéreos e irrita Kim

- 23 de outubro de 2023

SEUL – A Coreia do Sul, os Estados Unidos e o Japão realizaram os seus primeiros exercícios aéreos conjuntos no domingo, anunciaram Tóquio, Seul e Washington.

O exercício, que envolveu um bombardeiro B-52 com capacidade de armas nucleares dos EUA, ocorre no momento em que os três países reforçam a sua cooperação em defesa contra as crescentes ameaças nucleares e de mísseis da Coreia do Norte.

O bombardeiro norte-americano pousou em uma base aérea sul-coreana em 17 de outubro, após sobrevoar a maior exposição de defesa do país. Os B-52, que voam em velocidades subsônicas, podem viajar mais de 14 mil quilômetros (8.800 milhas) sem reabastecimento, a uma altitude que chega a 50 mil pés.

O exercício trilateral ocorreu ao sul da Península Coreana, onde as zonas de identificação de defesa aérea de Seul e Tóquio se sobrepõem, segundo a Força Aérea Sul-Coreana.

“Isto marca a primeira vez que as potências aéreas da Coreia do Sul, dos Estados Unidos e do Japão realizam um exercício aéreo”, afirmou em comunicado.

O exercício foi “planeado para expandir as capacidades de resposta dos três países contra as crescentes ameaças nucleares e de mísseis da Coreia do Norte”, acrescentou o comunicado.

Na segunda-feira, o embaixador dos EUA no Japão, Rahm Emanuel, elogiou a medida, dizendo que assinalava uma “nova era” na cooperação trilateral.

“Dos Princípios de Camp David aos céus de hoje, o exercício aéreo trilateral inaugural entre os EUA, o Japão e a Coreia do Sul é um testemunho da nossa determinação inabalável. Fortificando o nosso futuro e segurança partilhada. Esta colaboração marca uma nova era de parceria de defesa e credibilidade. dissuasão”, escreveu Emanuel no X, a plataforma de mídia social anteriormente conhecida como Twitter. ROK é a sigla para o nome formal da Coreia do Sul, República da Coreia.

Pyongyang vê todos esses exercícios como ensaios para uma invasão e alertou repetidamente que tomaria medidas “esmagadoras” em resposta.

A Coreia do Norte recusa o envio de meios militares de longo alcance por Washington e, em 2017, ameaçou “abater” bombardeiros estratégicos dos EUA, mesmo fora do espaço aéreo norte-coreano.

A chegada do B-52 ocorreu após uma visita ao porto, uma semana antes, do porta-aviões nuclear USS Ronald Reagan, que provocou uma resposta furiosa de Pyongyang.

Também pousou antes da visita de dois dias do ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, a Pyongyang. Acredita-se que Moscovo esteja interessado em comprar munições norte-coreanas, enquanto Pyongyang quer a ajuda da Rússia para desenvolver o seu programa de mísseis internacionalmente condenado.

Face a uma série recorde de testes de armas por parte de Pyongyang este ano, Seul tomou medidas para reforçar a sua relação de segurança com o aliado tradicional, os Estados Unidos, ao mesmo tempo que entra num acordo de defesa trilateral que também inclui o Japão.

Em agosto, os líderes dos três países reuniram-se para uma reunião em Camp David, concordando num plano plurianual de exercícios conjuntos regulares e na partilha de dados em tempo real sobre a Coreia do Norte.

No início deste mês, os três países realizaram um exercício marítimo conjunto em torno da Península Coreana pela primeira vez em sete anos.

Esse exercício de dois dias simulou a interceptação de navios de contrabando norte-coreanos, de acordo com a Marinha sul-coreana.

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.