161 visualizações 9 min 0 Comentário

Governo americano está preocupado com a mineração de bitcoin

- 16 de outubro de 2023

Quando uma empresa de origem chinesa iniciou no ano passado uma operação de mineração de criptomoedas em Cheyenne, Wyoming, uma equipe da Microsoft que avalia ameaças à segurança nacional soou o alarme.

O local não só ficava ao lado de um centro de dados da Microsoft que apoiava o Pentágono, mas também ficava a cerca de 1,6 quilômetros de uma base da Força Aérea que controlava mísseis balísticos intercontinentais com armas nucleares.

A localização poderia permitir aos chineses “prosseguirem operações de recolha de inteligência de espectro total”, escreveu a equipe da Microsoft num relatório de agosto de 2022 ao Comitê de Investimento Estrangeiro nos Estados Unidos, um órgão federal que monitoriza ameaças representadas por investidores estrangeiros.

O aviso da Microsoft não passou despercebido. Falando sob condição de anonimato, funcionários do governo dos EUA disseram ao The New York Times na semana passada que vinham acompanhando a operação no Wyoming há meses. Um funcionário disse que foram tomadas medidas para mitigar a potencial coleta de informações, mas recusou-se a dar mais detalhes. Além disso, a mineradora disse que respondeu às dúvidas do comitê federal de investimentos.

As preocupações de segurança nacional sobre o local do Wyoming, anteriormente não relatadas, refletem um desconforto mais amplo sobre o recente aumento nas minas chinesas de bitcoin em todo os EUA.

Além das preocupações com a coleta de informações, as minas de bitcoin, que são grandes armazéns ou contentores repletos de computadores especializados, exercem uma pressão imensa sobre as redes elétricas. Os computadores normalmente funcionam 24 horas por dia enquanto “mineram” as moedas digitais, as mais populares entre as diversas criptomoedas.

Em pelo menos 12 estados – incluindo Arkansas, Ohio, Oklahoma, Tennessee, Texas e Wyoming – o Times identificou minas de bitcoin operadas por chineses que, juntas, usam tanta energia quanto 1,5 milhão de residências. Em plena capacidade, só a mina Cheyenne exigiria eletricidade suficiente para abastecer 55 mil casas. As consequências incluem apagões direcionados e ataques cibernéticos.

Muitas das minas estão equipadas com computadores fabricados pela Bitmain, uma empresa chinesa que aparentemente não tem ligação direta com as autoridades chinesas, mas que, de acordo com registos de importação, enviou alguns carregamentos para os Estados Unidos através de uma subsidiária localizada numa instalação do Partido Comunista no sul da China.

Desde que a mineração de bitcoin foi proibida na China em maio de 2021 devido a preocupações com o uso de energia e a desestabilização econômica, a Bitmain enviou 15 vezes mais equipamentos para os Estados Unidos do que nos cinco anos anteriores combinados, mostram os registros. Uma apresentação recente da empresa afirmou que controla 90% do mercado global do equipamento, especialmente desenvolvido para mineração de bitcoin.

Os novos riscos surgem em meio a um aumento acentuado na mineração de bitcoin nos Estados Unidos. Este ano, uma investigação do Times descobriu que as operações consumiam cerca de 4.000 megawatts – o suficiente para abastecer mais de 3 milhões de lares nos EUA – e que mais megawatts estavam continuamente a entrar em funcionamento.

O domínio da Bitmain no mercado de máquinas de mineração levantou temores. No passado, os investigadores encontraram “portas dos fundos” que teriam permitido à empresa operar secretamente os seus equipamentos. Depois de uma ter sido descoberta em 2017, a empresa confirmou que poderia ter controlado remotamente as suas máquinas de mineração.

Em julho, um funcionário da North American Electric Reliability Corp., que supervisiona a proteção da rede elétrica, disse ao Congresso sobre a ameaça crescente dos ataques cibernéticos chineses. 

Mas é um arranjo muito incomum. As pensões são normalmente reservadas para funções oficiais ou retiros de funcionários do partido. Das dezenas de milhões de empresas registadas na China, menos de 150 indicam um endereço numa pensão do Partido Comunista, de acordo com uma pesquisa de registos recolhidos pela Sayari, uma empresa que compila informações corporativas, e muitas delas são empresas estatais.

Li Jiaming, presidente da Bit Origin Ltd., processadora de carne suína que virou mineradora de bitcoin, disse que os investidores escolheram o local porque haviam garantido um acordo com a concessionária local para o fornecimento de energia, não porque buscassem proximidade com a Microsoft Data Center ou base de mísseis.

Também em Cheyenne, mostram os registros, outra empresa chinesa envolvida na mineração de bitcoin comprou um terreno separado perto do Data Center da Microsoft.

A empresa, YZY Capital Holdings, está registada num condomínio de 7,5 milhões de dólares na cidade de Nova Iorque e é controlada por Yuan Qian, um empresário chinês e membro do Partido Comunista cuja biografia diz que atuou num painel consultivo do governo em Wuhan. Ele supervisiona um amplo conglomerado que possui concessionárias de automóveis, uma empresa de biotecnologia e empresas financeiras.

A empresa de Yuan vendeu outro lote em Cheyenne para o grupo de investimentos que levantou preocupações na Microsoft, de acordo com o processo. Sua empresa também possui uma mina de bitcoin no leste de Oklahoma, perto da pequena cidade de Oktaha. Lá, a concessionária local construiu recentemente uma subestação que acomoda a mina, que consome mais energia do que 41 mil residências. Nas proximidades de Muskogee, Yuan pagou quase US$ 2 milhões por um terreno de 126 acres. 

Do outro lado da divisa do estado do Arkansas, os investidores chineses operam pelo menos três minas, com planos para várias mais. Nos arredores de Greenbrier, a cerca de uma hora de carro ao norte de Little Rock, uma das minas provocou reação negativa dos vizinhos.

O site consiste em mais de 20 Antboxes, que são contêineres especializados fabricados pela Bitmain para abrigar centenas de seus computadores. Consome mais energia do que a cidade vizinha.

Existem pelo menos oito empresas vinculadas ao site. Os registos públicos obtidos por residentes que se opõem à mina revelaram ligações a uma empresa imobiliária de Xangai que é quase metade detida pelo governo chinês. A empresa, Greenland Holdings, tem mais de US$ 7 bilhões em investimentos nos Estados Unidos.

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.