497 visualizações 3 min 0 Comentário

Hayabusa II explode superfície de asteroide

- 28 de abril de 2019

Os cientistas conseguiram criar o que chamaram de primeira cratera artificial em um asteroide, um passo para lançar luz sobre como o sistema solar evoluiu, informou a Agência de Exploração Aeroespacial do Japão na quinta-feira (25).

O anúncio acontece após a sonda Hayabusa2 ter lançado um explosivo em 5 de abril no asteroide Ryugu, a cerca de 340 milhões de quilômetros da Terra, para explodir uma cratera na superfície e recolher material, com o objetivo de revelar mais sobre as origens da vida na Terra.

Yuichi Tsuda, gerente de projetos da Hayabusa2, disse a repórteres que eles confirmaram que a cratera das imagens capturadas pela sonda localizou 1.700 metros (5.500 pés) da superfície do asteroide.

“Criar uma cratera artificial e observá-la é um marco”, disse Tsuda. “Este é um grande sucesso”.

A sonda Deep Impact da NASA conseguiu criar uma cratera artificial em um cometa em 2005, mas apenas para fins de observação.

A sonda JAXA fotografou a área atingida pelo projétil a uma distância de 1,7 km, segundo a agência, que comparou imagens da superfície do asteroide antes e depois do disparo da bala de metal, e determinou a presença de uma cratera feita pelo homem cerca de 10 metros de diâmetro.

Os cientistas da JAXA previram anteriormente que a cratera poderia ter 10 metros de diâmetro se a superfície fosse arenosa, ou 3 metros se fosse rochosa.

“A superfície está cheia de pedras, mas criamos uma cratera desse tamanho. Isso pode significar que há um mecanismo científico que não sabemos ou algo especial sobre os materiais de Ryugu”, disse o professor.

O objetivo de explodir a cratera no Ryugu é jogar material “fresco” debaixo da superfície do asteroide, o que poderia esclarecer os primeiros estágios do sistema solar.

Acredita-se que o asteroide contenha quantidades relativamente grandes de matéria orgânica e água de cerca de 4,6 bilhões de anos atrás, quando o sistema solar nasceu.

A missão, com um preço de cerca de 30 bilhões de ienes, foi lançada em dezembro de 2014 no Centro Espacial Tanegashima, na Prefeitura de Kagoshima, e a Hayabusa2 chegou a Ryugu em junho passado. Está programado para retornar à Terra com suas amostras em 2020.

Asteroides como Ryugu são frequentemente comparados a fósseis que guardam os traços preservados da época em que o sistema solar nasceu. Mas os efeitos dos ventos solares têm resistido à superfície de Ryugu, tornando necessário escavar profundamente a fim de coletar esses materiais.

Fonte: AFP-JIJI, KYODO

https://www.japantimes.co.jp/news/2019/04/26/national/science-health/japans-hayabusa2-probe-succeeds-blasting-first-man-made-crater-asteroid/#.XMMFAOhKjIU.1’