117 visualizações 5 min 0 Comentário

Japão Enfrenta Desafios Estruturais para Reverter Queda do Iene

- 31 de maio de 2024

Desvalorização do Iene: Desafios e Estratégias Econômicas Entenda as medidas adotadas para enfrentar a queda histórica da moeda.

BRUXELAS, 30 de maio – Os decisores políticos japoneses estão focando em fatores econômicos estruturais para enfrentar a persistente desvalorização do iene, reconhecendo que a intervenção no mercado tem capacidade limitada para reverter a queda da moeda. Dados a serem divulgados na sexta-feira devem mostrar que o Japão gastou cerca de 9 trilhões de ienes (57,2 bilhões de dólares) entre o final de abril e o início de maio para desacelerar a queda do iene, que atingiu seu menor nível em 34 anos, abaixo de 160 ienes por dólar.

Fatores Contribuintes e Medidas Adotadas

Embora a disparidade entre as taxas de juros dos EUA e do Japão seja frequentemente citada como a principal causa da desvalorização do iene, os decisores políticos estão atentos a fatores mais fundamentais, como a diminuição da competitividade global do Japão. Liderado por Masato Kanda, o Ministério das Finanças criou um painel de 20 acadêmicos e economistas para investigar as razões subjacentes às questões estruturais da conta corrente do país.

Discussões e Propostas do Painel

O painel, que se reuniu quatro vezes desde março, discutiu medidas para fortalecer a competitividade global do Japão e redirecionar os lucros obtidos no exterior para impulsionar o crescimento interno. Um alto funcionário do governo destacou que “os próprios japoneses já não investem no Japão” e que os lucros obtidos no exterior não estão sendo repatriados, mas reinvestidos no exterior.

Desafios da Reforma Estrutural

A reforma econômica estrutural continua sendo um desafio, especialmente dentro da estratégia “Abenomics” do ex-primeiro-ministro Shinzo Abe. A política monetária ultra-flexível manteve vivas empresas não competitivas, e os fundamentos econômicos do Japão precisam mudar para que o valor relativo da moeda se altere. A intervenção cambial pode dificultar movimentos especulativos, mas não pode reverter a fraqueza a longo prazo do iene.

Mudanças na Composição do Superávit

O Japão teve um superávit em conta corrente de cerca de 21 trilhões de ienes no ano passado, mas a composição desse superávit mudou significativamente. O comércio já não gera excedentes, refletindo o aumento no custo das importações de energia e a produção offshore. Os fabricantes japoneses produzem cerca de 40% de seus produtos fora do país, e o déficit comercial é compensado pelo aumento do excedente no rendimento primário proveniente de títulos e investimentos diretos no exterior.

Impacto dos Investimentos Externos

A maior parte dos rendimentos obtidos no exterior é reinvestida fora do Japão, em vez de ser convertida em ienes e repatriada, o que pode estar mantendo a moeda fraca. Daisuke Karakama, economista-chefe de mercado do Mizuho Bank, estima que apenas cerca de um terço dos 35 trilhões de ienes em excedente de rendimento primário no ano passado pode ter retornado ao país.

Riscos Futuros

O Japão pode enfrentar mais problemas se as famílias perderem a fé no iene e transferirem para o exterior o valor de 1,1 quatrilhão de ienes em dinheiro e depósitos. Tohru Sasaki, estrategista-chefe do Fukuoka Financial Group, observou que já existem sinais dessa tendência, como a popularidade das ações estrangeiras no programa de investimento em ações isento de impostos do Japão.

O painel deverá compilar suas propostas por volta de junho, buscando soluções para fortalecer a economia japonesa e estabilizar o valor do iene.


Logotipo Mundo-Nipo
Autor

**Portal Mundo-Nipo**
Sucursal Japão – Tóquio
contato@mundo-nipo.com.br

Comentários estão fechados.