137 visualizações 5 min 0 Comentário

Japão desobedece regra definida pelo Direito Humano pós parto

- 15 de novembro de 2023

Algemas durante a gravidez, separação de recém-nascidos e cuidados insuficientes para presidiárias idosas estão entre os abusos sofridos por mulheres encarceradas no Japão, disse terça-feira a Human Rights Watch (HRW).

As mulheres reclusas são por vezes algemadas durante o trabalho de parto e imediatamente após o nascimento, alegou a ONG internacional num novo relatório, baseado em entrevistas com quase 60 mulheres anteriormente presas.

O Ministério da Justiça negou algumas das alegações, dizendo que as restrições “não são usadas quando as mulheres presas estão amamentando, segurando, dando banho ou trocando as fraldas do bebê”, segundo o relatório.

Também disse que “medidas médicas apropriadas são tomadas para os prisioneiros”.

O departamento correcional do Ministério da Justiça disse que “abster-se-ia de comentar” o relatório.

De acordo com a HRW, as novas mães também costumam ter seus bebês tirados logo após o nascimento.

“Muitas mulheres presas no Japão sofrem graves abusos e maus-tratos dos direitos humanos”, afirmou o grupo de direitos humanos.

Quase 4.000 mulheres estavam atrás das grades no Japão em 2021, principalmente por roubo e crimes relacionados a drogas.

De acordo com dados do Ministério da Justiça, apenas três das 184 mulheres que deram à luz enquanto estavam encarceradas tiveram acesso aos seus bebés na prisão entre 2011 e 2017.

“A separação no nascimento pode ser traumatizante e prejudicar a saúde tanto da mãe como do bebé e pode interferir na amamentação e na ligação entre pais e filhos”, afirmou a ONG.

Embora a lei permita que as mães peçam para manter os seus filhos com elas durante pelo menos um ano, as autoridades prisionais “raramente informam” as mulheres sobre esse direito, disse a HRW.

No Japão, as prisioneiras grávidas são normalmente levadas para um hospital para dar à luz, mas geralmente são algemadas antes de entrar e depois de sair da sala de parto, disse o Ministério da Justiça à HRW.

Isto significa que o Japão “não cumpriu as melhores práticas internacionais”, disse o grupo.

Numa prisão na província de Saga, no sudoeste do Japão, os reclusos entrevistados pela HRW disseram que as mulheres eram algemadas mesmo durante o parto, contrariando um aviso do governo de 2014 contra a prática.

De acordo com a HRW, o Ministério da Justiça negou esta alegação, dizendo que “não encontrou nenhum registo” de mulheres algemadas dentro de salas de parto depois de 2014.

A HRW também disse que o sistema prisional “não atende às necessidades do número crescente de pessoas idosas”, alertando para o bullying por parte de colegas de cela e guardas frustrados com a mobilidade limitada de alguns presos.

A população carcerária do Japão envelheceu rapidamente nos últimos anos, especialmente as prisioneiras.

Os números do governo mostram que 20% das mulheres admitidas na prisão em 2021 tinham 65 anos ou mais, em comparação com 13% dos homens.

“Algumas mulheres mais velhas cometem repetidamente crimes não violentos, como furtos em lojas, devido ao isolamento social e à solidão”, disse a HRW.

Outros problemas detalhados no relatório vão desde cuidados de saúde deficientes nas prisões até punições através do confinamento solitário e maus-tratos de presos transexuais.

De acordo com a HRW, muitas mulheres condenadas por pequenos crimes estão a ser presas apenas porque o Japão não dispõe de alternativas como o serviço comunitário.

“O Japão deveria considerar alternativas à prisão enquanto se move para descriminalizar violações simples relacionadas com drogas”, disse Teppei Kasai, oficial do programa da HRW Ásia.

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.