137 visualizações 7 min 0 Comentário

China não anuncia apoio para ninguém, no caso Israel e Hamas

- 14 de outubro de 2023

A China fez o seu primeiro contacto público com Israel desde o ataque do Hamas no fim de semana passado, horas depois de o embaixador israelita ter apelado a Pequim para iniciar conversações sobre o conflito.

Zhai Jun, enviado especial da China para questões do Oriente Médio, disse que o país condena ações que levam à morte de civis, de acordo com uma declaração do Ministério das Relações Exteriores em sua ligação com um funcionário do Ministério das Relações Exteriores de Israel. A China também está disposta a trabalhar com a comunidade internacional para negociações de paz, afirmou.

“A China não tem interesses egoístas na questão palestina e sempre esteve do lado da paz, da imparcialidade e da justiça”, afirma o comunicado.

A declaração também citou o oficial de relações exteriores israelense dizendo que Israel intensificará os esforços para proteger os cidadãos chineses em Israel. Três cidadãos chineses foram mortos e dois desapareceram nos ataques, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Wang Wenbin, em uma coletiva de imprensa regular na quinta-feira. Vários outros cidadãos chineses ficaram feridos.

O embaixador de Israel na China apelou a Pequim na quinta-feira para alavancar a sua estreita relação com o Irã para controlar o Hamas, dizendo que o governo precisava de estar envolvido em conversações sobre o conflito.

“Realmente esperamos que a China possa estar muito mais envolvida nas conversações com os seus parceiros próximos no Médio Oriente e particularmente no Irã”, disse Irit Ben-Abba à Bloomberg TV numa entrevista na quinta-feira.

As observações de Ben-Abba surgem num momento em que a vontade da China de se envolver em alguns dos conflitos mais intratáveis ​​da região está sob escrutínio. Um senador dos EUA confrontou o presidente Xi Jinping esta semana sobre o fracasso do seu governo em condenar o ataque surpresa de 7 de outubro do Hamas a Israel, que matou centenas de civis.

Embora o Ministério dos Negócios Estrangeiros da China tenha dito mais tarde que estava “entristecido” pelas vítimas, Pequim não criticou o Hamas nas suas declarações, apenas disse que o país asiático é “amigo de ambos” os lados do conflito.

Até recentemente, a China não tinha um histórico de negociação de acordos de paz. Isso mudou quando, em março, ajudou a mediar uma tentativa de distensão entre o Irã e a Arábia Saudita, após anos de impasse diplomático entre os rivais históricos. O acordo marcou um afastamento da relutância de longa data de Pequim em envolver-se em disputas estrangeiras.

A autoridade chinesa pressionou na quarta-feira por um cessar-fogo em um telefonema com um funcionário de relações exteriores da Autoridade Palestina, de acordo com um comunicado do Ministério das Relações Exteriores da China.

Essa reunião ocorreu após uma ligação entre Zhai e um homólogo egípcio na terça-feira, durante a qual ele pediu apoio humanitário ao povo palestino.

A complexa história da China com o conflito Israel-Palestina remonta a décadas. Durante o governo do fundador do Partido Comunista, Mao Zedong, a China reconheceu o Estado israelita, mas foi mais simpática para com os palestinianos, pois Mao os via como vítimas do imperialismo.

As relações de Beiing com Israel permaneceram tensas durante a Guerra Fria, à medida que este último emergiu como um aliado fundamental dos EUA. Porém, isso começou a mudar, à medida que a China se abriu e mostrou interesses econômicos nos desenvolvimentos de Israel em tecnologia e defesa. Agora, o comércio bilateral com Israel totaliza cerca de 22,1 mil milhões de dólares, de acordo com estatísticas de 2022 do Fundo Monetário Internacional.

Mais de metade das exportações de Israel para a China são componentes eletrônicos, incluindo microchips, de acordo com um artigo de junho do Instituto de Estudos de Segurança Nacional da Universidade de Tel Aviv.

Esse comércio com Israel é crucial, uma vez que os EUA instam os seus parceiros a implementar restrições ao acesso de Pequim a tecnologia de ponta. A Intel Corp. abandonou um acordo de US$ 5,4 bilhões em agosto para adquirir a Tower Semiconductor Ltd., de Israel, depois de não conseguir obter a aprovação regulatória chinesa a tempo, à medida que as crescentes tensões geopolíticas retardam esse processo.

Ben-Abba disse que Israel e a China têm um “bom” relacionamento, acrescentando que desfrutam de uma “parceria especial” em inovação. A diplomata disse não ver qualquer impacto direto no comércio bilateral devido ao desenrolar da situação.

“É claro que temos de ver o que vai acontecer no Médio Oriente como um todo”, disse ela. “Estamos num estado de guerra neste momento.”

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.