143 visualizações 12 min 0 Comentário

Japão precisará ser um mediador ativo para cessar o conflito

- 2 de novembro de 2023

As habilidades diplomáticas da ministra das Relações Exteriores, Yoko Kamikawa, serão postas à prova esta semana, quando ela embarcar em uma viagem de quatro dias ao Oriente Médio, para ajudar a acalmar o agravamento do conflito entre Israel e o grupo militante palestino Hamas, ao mesmo tempo em que aborda a crise humanitária que se desenrola.

A partir de quinta-feira, o principal diplomata do Japão viajará para Tel Aviv para conversações com autoridades israelenses no dia seguinte, antes de voar para Amã, na Jordânia, para reuniões com o governo jordaniano e potencialmente com o lado palestino.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, também deverá visitar Israel na sexta-feira e fazer outras paradas na região, segundo o Departamento de Estado. Mas devido à agenda truncada de Kamikawa, um alto funcionário do Ministério das Relações Exteriores deu a entender na quarta-feira que era improvável que ela se encontrasse com ele.

“A nossa principal prioridade é a melhoria da situação humanitária na Faixa de Gaza”, disse Kamikawa numa conferência de imprensa na terça-feira, salientando que é necessária uma cessação temporária dos combates para permitir as operações de ajuda humanitária.

O Japão, que prometeu 10 milhões de dólares em subsídios de emergência em resposta às graves necessidades humanitárias na Faixa de Gaza, condenou os ataques terroristas de 7 de outubro perpetrados pelo Hamas, que, segundo Israel, mataram 1.400 pessoas e resultaram em mais de 230 outras – incluindo soldados israelitas. , civis e estrangeiros — sendo levados cativos.

Durante a sua visita, Kamikawa deveria visitar o local dos recentes ataques com mísseis contra Israel e encontrar-se com as famílias dos reféns, ao mesmo tempo que potencialmente falaria com refugiados de Gaza, de acordo com o alto funcionário do ministério.

Tóquio, que está considerando um segundo voo das Forças de Autodefesa para evacuar cidadãos japoneses de Israel, anunciou terça-feira que congelou os bens de nove indivíduos, incluindo membros do Hamas, e uma empresa relacionada, marcando suas primeiras sanções ao grupo desde o ataque surpresa. sobre Israel.

A viagem de Kamikawa ocorre num momento em que Israel amplia os seus ataques aéreos e terrestres a Gaza, com as autoridades de saúde lideradas pelo Hamas a afirmarem que mais de 8.500 palestinianos foram mortos, segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância.

“Gaza tornou-se um cemitério para milhares de crianças”, disse o porta-voz da UNICEF, James Elder, na terça-feira, acrescentando que mais de 3.450 crianças foram alegadamente mortas, com o número a aumentar “.

Israel parece estar a seguir uma estratégia militar de longo prazo que visa limitar as suas próprias baixas, enquanto Tel Aviv prossegue uma combinação de ataques aéreos e destacamentos terrestres graduais em Gaza.

Tóquio juntou-se às exigências internacionais para que todos os reféns sejam libertados, ao mesmo tempo que apela a todas as partes envolvidas para que atuem de acordo com o direito internacional e atenuem a crise.

No entanto, não condenou o que um número crescente de países considera como a resposta desproporcional de Israel ao ataque de 7 de outubro. O Japão também se absteve numa votação recente na ONU que apelava a uma trégua nos combates, com Kamikawa a argumentar que a resolução proposta não condenava o ataque do Hamas.

Quando questionado se a ampliação da ofensiva aérea e terrestre de Israel violava o direito internacional, Kamikawa absteve-se de fazer uma avaliação jurídica, dizendo que o Japão não é uma parte direta no conflito e “não tem plena compreensão das circunstâncias específicas”.

“Nem é preciso dizer que Israel, como Estado soberano, tem o direito de proteger a si mesmo e aos seus cidadãos e que, em geral, tal direito deve ser exercido de acordo com o direito internacional”, acrescentou.

Kazuto Suzuki, especialista em geopolítica e professor da Universidade de Tóquio, argumenta que a razão por detrás da posição atual do Japão é que este não quer “distrair-se” dos esforços do Grupo dos Sete para evitar o isolamento de Israel. Tóquio recusa-se a condenar abertamente as ações do país, disse ele, “para garantir que Israel ouvirá outros países e agirá de acordo com o direito internacional”.

Dito isto, Tóquio também pode não estar disposta a desafiar abertamente a posição do seu aliado, os Estados Unidos, de acordo com Sayo Saruta, presidente da Nova Iniciativa de Diplomacia. Isto significa que Kamikawa terá de realizar um ato de equilíbrio diplomático enquanto tenta manter boas relações tanto com Israel como com o mundo árabe – algo que é crucial para satisfazer a necessidade de petróleo do Japão.

“A visita de Kamikawa tem como objetivo mostrar apoio a Israel”, disse Saruta. No entanto, como representante de um país com uma posição pública de “diplomacia neutra no Médio Oriente”, acrescentou, Kamikawa também visitará a Jordânia para sinalizar ao mundo árabe que Tóquio continua empenhada numa abordagem equilibrada na região.

Embora a viagem pretenda mostrar a posição mais pró-ativa do Japão na ajuda à redução da crise, os especialistas duvidam que Tóquio esteja disposta a mediar uma solução, pelo menos por enquanto, apesar das suas relações de décadas com ambos os lados. Tóquio mantém há muito tempo relações diplomáticas com Israel, com relações aprofundando-se continuamente desde 1952, inclusive através da cooperação em ciência e tecnologia. Ao mesmo tempo, Tóquio há muito que fornece ajuda humanitária a Gaza e até mantém relações cordiais com o Irã, que é conhecido por apoiar o Hamas.

Tóquio não deseja desempenhar um papel particularmente importante – e ficaria contente em desempenhar um papel menor – desde que possa mostrar à comunidade internacional que está a fazer alguma coisa, disse Saruta.

Além disso, Suzuki argumenta que seria impossível para o Japão — ou qualquer país — mediar a paz neste momento, já que Israel “precisará de alguma vingança para convencer o seu povo de que o governo está a fazer alguma coisa”. Dado que Tóquio tem pouca influência em ambos os lados, Suzuki acredita que o máximo que o Japão pode fazer neste momento seria facilitar a ajuda humanitária.

À medida que Israel inicia o que provavelmente será uma prolongada ofensiva terrestre em Gaza, muitos temem que o conflito possa espalhar-se por toda a região. Isso teria consequências graves para a economia global, incluindo para o Japão, que importa mais de 80% do seu petróleo do Médio Oriente.

“Um sério risco de uma crise mais longa e mais ampla é que o Irã possa fechar o Estreito de Ormuz, um ponto de estrangulamento fundamental para a Ásia e para a economia mundial”, disse Willem Thorbecke, investigador sénior do Instituto de Investigação de Economia, Comércio e Indústria.

O petróleo que passa por esse estreito não poderia ser substituído, pelo que os preços do petróleo disparariam, disse Thorbecke. Acrescentou que isto poderá ter um impacto devastador na economia japonesa, aumentando a fatura de importações do país, alimentando a inflação, piorando a balança comercial e enfraquecendo o iene – já no seu nível mais baixo em mais de 30 anos.

Dada a importância do Médio Oriente para a economia do Japão, alguns dizem que Tóquio poderá eventualmente ter de assumir um papel mais ativo na gestão da crise e dos riscos de guerra regional.

Isto é ainda mais importante porque um conflito mais amplo no Médio Oriente poderia ter implicações geopolíticas para a Ásia-Pacífico, a mais óbvia das quais seria a necessidade de Washington dedicar mais dos seus já escassos recursos militares à região – e longe da Ásia.

“Isto certamente afetaria o planeamento de defesa dos EUA para o Indo-Pacífico”, disse Sebastian Maslow, professor do Sendai Shirayuri Women’s College. “Uma escalada da crise poderia minar a recalibração geopolítica de Washington em direção ao Indo-Pacífico, que Tóquio tem promovido ativamente, e possivelmente aumentar a probabilidade de conflito na Ásia.”

Outra implicação potencial é que as críticas ao Ocidente por parte das nações do Sul Global provavelmente se intensificarão à medida que o conflito se arrastar, ampliando a fissura entre “o Ocidente” e “o resto”, disse Saruta.

“A atual crise no Médio Oriente poderá acelerar ainda mais a mudança na estrutura da comunidade internacional que já estava em curso, sendo a China provavelmente o seu principal beneficiário”, disse ela.

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.