138 visualizações 13 min 0 Comentário

Japão preside G7, deverá se posicionar à guerra Israel x Hamas

- 14 de outubro de 2023

PYEONGTAEK, COREIA DO SUL – Quando as forças do Hamas executaram ataques terrestres e com foguetes contra centros populacionais israelitas na semana passada, todos os governos do Grupo dos Sete, exceto um, expressaram imediatamente que Israel tinha o “direito de se defender”.

O Japão foi o único caso atípico, condenando os ataques do Hamas, mas também expressando preocupação com o número de vítimas na Faixa de Gaza causadas pelas Forças de Defesa de Israel na sua resposta militarizada.

Isto reflete uma abordagem política de décadas que o Japão tem mantido desde que reconheceu pela primeira vez a legitimidade do Estado palestiniano em 1973. No entanto, a política Israel-Palestina de Tóquio não foi testada desta forma antes. Nos últimos anos, o governo liderado pelo Partido Liberal Democrata tem procurado um papel mais ativo na liderança global e o Japão detém atualmente a presidência do G7 e um assento não permanente no Conselho de Segurança da ONU. Mas com a liderança vêm escolhas difíceis, e a administração Fumio Kishida enfrenta esta.

Como o Japão abordará a guerra Israel-Hamas? Que tipo de decisões políticas poderemos ver e que tipo de ações o governo poderá tomar em resposta?

Para responder a estas questões, é útil rever a situação das relações japonesas com Israel e a Palestina antes dos ataques do Hamas, bem como o que o governo japonês fez desde o início das hostilidades na semana passada. É impossível saber exatamente como o Japão poderá responder aos desenvolvimentos da guerra que ainda não aconteceram, mas há três fatores que influenciarão a tomada de decisão da administração Fumio Kishida.

Política anterior

Embora os críticos do governo japonês argumentem frequentemente que a política externa do Japão é simplesmente uma cópia carbono do seu aliado dos EUA, uma área notável onde o governo japonês demonstrou a sua vontade de seguir o seu próprio caminho é a política para o Médio Oriente. Isto foi mais notável na sua ruptura com as posturas dos EUA em relação à Palestina quando, em 1973, o governo japonês publicou a chamada Declaração de Nikaido sob o então primeiro-ministro Kakuei Tanaka. Esta declaração reconheceu a legitimidade do Estado Palestiniano e apelou à contenção por parte de Israel.

O governo japonês manteve esta posição política nas últimas cinco décadas. Sempre que há uma escalada de tensões, o Japão apela à contenção de ambos os lados e ao progresso na obtenção de uma solução de dois Estados que reflita as necessidades e desejos do povo palestiniano.

Funcionários do governo japonês apoiaram esta política com compromissos com a Palestina. Por exemplo, o próprio primeiro-ministro Kishida reuniu-se com homólogos palestinianos quando viajou para o Médio Oriente como ministro dos Negócios Estrangeiros em 2013, tal como Shinzo Abe quando era primeiro-ministro em 2018.

Contudo, na maior parte, o governo japonês manteve distância política das questões mais espinhosas, mantendo uma posição mais neutra na prática. Na verdade, Tóquio tem vindo lenta mas seguramente a construir laços com o governo israelita através de contactos ministeriais e a nível de líderes. No ano passado, os dois governos assinaram um memorando de entendimento actualizado para a cooperação em defesa e decidiram lançar um “Grupo de Estudo Conjunto sobre a possibilidade de um Acordo de Parceria Económica Japão-Israel”. Até ao ataque do Hamas, o progresso nas relações Japão-Israel parecia inevitável.

Ações desde a “Inundação de Al-Aqsa”

No sábado, militantes do Hamas iniciaram o que chamaram de Operação Al-Aqsa Flood, um complexo foguete e ataque terrestre contra vários centros populacionais israelenses. Isto levou o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, a emitir uma declaração pública na qual declarou: “Cidadãos de Israel, estamos em guerra. Não é uma operação, não é uma escalada – isto é guerra e venceremos.” As Forças de Defesa de Israel lançaram então a “Operação Espadas de Ferro”, uma operação militar em grande escala para eliminar completamente as forças do Hamas.

Em resposta, o Ministério dos Negócios Estrangeiros japonês emitiu rapidamente uma declaração condenando as ações do Hamas, expressando condolências pelos enlutados e apelando à contenção de ambos os lados. O ministério seguiu com uma declaração mais longa da Ministra das Relações Exteriores, Yoko Kamikawa, na qual ela acrescentou a condenação do sequestro de israelenses (incluindo civis) pelo Hamas, ao mesmo tempo em que expressava preocupação com o número de vítimas na Faixa de Gaza resultantes da resposta militarizada das Forças de Defesa de Israel. .

A linguagem que o governo japonês utilizou através dessas declarações já sinalizava uma abordagem diferente à guerra dos outros membros do G7. Isto tornou-se ainda mais evidente na segunda-feira, quando cinco membros do G7 – França, Alemanha, Itália, Reino Unido e Estados Unidos – emitiram uma declaração conjunta sem o Japão ou o Canadá para expressarem o seu apoio resoluto a Israel na defesa contra o Hamas.

A abordagem da administração Kishida até agora tem sido moderar as respostas a este conflito. Kamikawa conversou com seus homólogos ministros das Relações Exteriores nos Emirados Árabes Unidos e na Jordânia. Quanto às ações concretas de resposta, o Gabinete do Primeiro-Ministro afirmou que ainda não está a considerar a prestação de ajuda ou outro apoio.

Qual é o próximo?

Embora a administração Kishida provavelmente espere que este conflito termine rapidamente, sem impor demasiadas exigências ao Japão, três factores influenciarão o que vem a seguir para eles.

A primeira será a conduta dos dois lados em relação à ordem internacional baseada em regras, particularmente no que se refere ao direito humanitário internacional. Os ataques do Hamas contra alvos civis demonstraram uma clara ruptura com as regras. Mas se as Forças de Defesa de Israel também demonstrarem uma vontade de ultrapassar os limites da lei do conflito armado, isso justificará a decisão do Japão de se distanciar da guerra e apelará à contenção de ambos os lados. No entanto, se houver uma distinção clara entre a conduta dos dois partidos, será mais difícil para a administração Kishida moderar as suas respostas se desejar demonstrar liderança global.

Em segundo lugar estará a conduta de outros parceiros internacionais. Que tipo de apoio darão e a quem? Fornecerão assistência de segurança ou ajuda humanitária? Tentarão mediar entre as partes em conflito ou outros potenciais antagonistas? Se o governo japonês estiver interessado em desempenhar o papel de líder global, terá de refletir a energia e a atividade de outros atores importantes na abordagem desta guerra.

Em terceiro lugar estará a reação do público japonês à guerra. Com os números das sondagens de Kishida já estagnadamente baixos, os sentimentos públicos influenciarão invariavelmente a tomada de decisões da administração, de modo a evitar qualquer erosão adicional do apoio.

Muito provavelmente, a administração Kishida fará o que estiver ao seu alcance para se manter fora do conflito tanto quanto possível, embora pudesse estar a fazer mais. Embora a economia continue a ser um local problemático para o atual governo, o Japão ainda é a terceira maior potência econômica do mundo, o que significa que a ajuda humanitária e a assistência financeira a todos os civis afetados pelo conflito são uma medida prática. Mas o mais importante é que a nação tem ferramentas diplomáticas à sua disposição.

O reconhecimento forte e de longa data do Japão do direito dos palestinianos à autodeterminação separa-o dos outros membros do G7 e abre janelas para uma diplomacia e ação significativas. Em vez de verem isso como um problema, deveriam vê-lo como uma oportunidade para se envolverem de uma forma que outros parceiros não conseguem. É possível que o governo japonês ainda tenha cicatrizes da tentativa fracassada de Abe de mediar entre o Irã e os Estados Unidos em 2017, mas poderia tirar lições desse fracasso passado e aplicá-las na resolução de um conflito importante e devastador hoje. O Ministério dos Negócios Estrangeiros já se envolveu com os EAU e a Jordânia, mas há muitos outros que poderão influenciar os resultados desta guerra: Irã, Egito, Líbano e Arábia Saudita, para citar alguns.

Durante décadas, o Japão procurou traçar o seu próprio rumo na política Israel-Palestina, e o verdadeiro significado dessa decisão está agora a ser testado. Os ataques surpresa do Hamas desencadearam um conflito que levanta a questão do que o Japão poderá fazer com a sua posição política única – agora a administração Kishida deve decidir se irá realmente aproveitá-la para procurar resultados positivos no meio de uma guerra horrível.

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.