175 visualizações 6 min 0 Comentário

Montadoras Japonesas Comprometem-se com Tratamento Justo aos Fornecedores

- 25 de maio de 2024

Repercussão dos Custos: Montadoras Japonesas Aceitam Aumentos de Preços.

Os fabricantes de automóveis japoneses concordaram em parar de pressionar seus fornecedores e comprometeram-se a tratar as empresas menores de forma mais justa. A prática anterior de grandes empresas utilizarem seu poder de negociação para manter injustamente e, por vezes, ilegalmente, um limite sobre os preços cobrados pelos fabricantes de peças é motivo de preocupação, especialmente à medida que o país busca aumentar os salários nas pequenas e médias empresas.

“Levamos este assunto muito a sério”, disse Masanori Katayama, presidente da Associação Japonesa de Fabricantes de Automóveis (JAMA), em entrevista coletiva na quinta-feira. Segundo a JAMA, as empresas associadas pretendem aceitar a repercussão de todos os custos básicos e dos aumentos dos preços da energia e das matérias-primas pelos seus subcontratantes. As montadoras também concordaram em consultar os fornecedores sobre a possibilidade de absorver aumentos nos custos trabalhistas.

“Nossas 14 empresas membros estão comprometidas em promover transações comerciais em toda a cadeia de fornecimento com base na premissa de conformidade legal”, disse Katayama, que também é presidente da Isuzu Motors.

Um caso recente de abuso de subcontratados por parte de fabricantes de automóveis surgiu em março, quando a Comissão de Comércio Justo do Japão (JFTC) informou que a Nissan reduziu ilegalmente os pagamentos em cerca de ¥3 bilhões a 36 subcontratados entre janeiro de 2021 e abril de 2023. Este é o maior valor de pagamento insuficiente desde que a Lei de Subcontratação foi promulgada em 1956. A Nissan já acertou esse valor com os fornecedores.

O JFTC alertou a montadora para não se envolver em negociações injustas e também solicitou ao JAMA – o maior lobby de montadoras de automóveis do país – que instruísse as empresas membros a tomarem medidas preventivas, já que casos semelhantes envolvendo fabricantes de peças menores têm ocorrido na indústria nos últimos anos.

As montadoras precisam se comunicar mais estreitamente com os fornecedores e tornar mais fácil para eles falarem sobre suas preocupações no processo de negociação, disse Katayama, acrescentando que a JAMA trabalhará com a Associação Japonesa das Indústrias de Autopeças para resolver o problema de intimidação de subcontratados.

A TV Tokyo informou no início deste mês que a Nissan continuou a pressionar seus subcontratados e a cortar pagamentos mesmo depois de ter sido avisada pelas autoridades do comércio justo em março. O CEO da Nissan, Makoto Uchida, que participou da coletiva de imprensa de quinta-feira, disse que a empresa ainda está verificando se a reportagem da TV Tokyo é verdadeira. A Nissan divulgará suas descobertas em cerca de uma semana, disse ele.

“Pedimos sinceras desculpas a todas as partes interessadas pelas reportagens da mídia sobre este incidente, quando toda a indústria está agora fazendo esforços para garantir transações apropriadas”, disse Uchida, que é vice-presidente da JAMA.

Na sexta-feira, o ministro da Indústria, Ken Saito, instou a Nissan a concluir rapidamente sua investigação sobre a alegação e a fornecer uma explicação. Em resposta ao compromisso das empresas membros da JAMA de aceitar os custos repassados pelos fornecedores, Saito disse: “Eu entendo que eles estão levando a sério o pedido do governo”.

As empresas que utilizam seu domínio de mercado para pressionar os subcontratantes a manter ou reduzir os preços têm sido um problema no Japão há décadas e continuam a ser comuns. No ano fiscal de 2022, o JFTC emitiu seis advertências administrativas e entregou 8.665 instâncias de orientação às empresas sobre possíveis violações da Lei de Subcontratos, um recorde. Os fabricantes receberam 37,0% desse total, enquanto 19,8% foram para empresas atacadistas e varejistas.

Estão sendo feitos esforços para identificar melhor e lidar de forma mais eficaz com o abuso de subcontratados por parte de gigantes corporativos. O Ministério da Indústria aumentou o número de inspetores dedicados ao tratamento injusto de pequenos fornecedores para 330 neste ano fiscal, contra 120 no ano fiscal de 2018. O JFTC pretende reforçar a Lei de Subcontratos no próximo ano, tornando ilegal que grandes compradores ignorem pedidos de aumentos de preços de fornecedores que pagam preços mais elevados pelos fatores de produção.

Logotipo Mundo-Nipo
Autor

**Portal Mundo-Nipo**
Sucursal Japão – Tóquio
contato@mundo-nipo.com.br

Comentários estão fechados.