122 visualizações 5 min 0 Comentário

O Japão perderá a terceira posição econômica para a Alemanha

- 26 de outubro de 2023

O produto interno bruto nominal do Japão será ultrapassado pela Alemanha este ano, ou seja, será catapultado para o 4º lugar no mundo em que o PIB é medido em dólares americanos.

O PIB nominal descreve o valor total de mercado dos bens e serviços produzidos num país, utilizando preços correntes e sem ajustamento pela inflação.

Embora o Japão tenha vivido um período prolongado de baixo crescimento, manteve-se como a terceira maior economia do mundo durante mais de uma década. O Japão era anteriormente a segunda maior economia do mundo, depois dos Estados Unidos, mas cedeu essa posição à China em 2010.

Apesar das suas localizações díspares, o Japão e a Alemanha aprofundaram os laços políticos nos últimos anos e partilham desafios semelhantes – incluindo o fato de os seus negócios serem fortemente dependentes de aparelhos de fax, que são frequentemente usados ​​como um emblema de burocracias inabaláveis, à medida que ambos os mercados enfrentam uma difícil batalha para se digitalizarem. Os dois países também partilham pontos em comum no seu forte setor industrial e no excesso de poupança. No entanto, a Alemanha não tem os problemas monetários únicos do Japão.

A depreciação amplamente observada do iene sustenta a sua projetada queda de posição. Na segunda-feira, a moeda enfraqueceu além de ¥ 150 em relação ao dólar pela segunda vez este ano, gerando discussão sobre uma intervenção no que tem sido uma tendência contínua em 2023. O aumento das disparidades nas taxas de juros entre o Japão e outros mercados fez cair o valor do iene e reduziu poder de compra no exterior.

Funcionários do governo japonês enfatizaram a importância da estabilidade monetária, fazendo comentários cautelosos em relação a questões de intervenção, numa tentativa de evitar choques nos mercados.

O relatório de outubro do FMI projetava um crescimento ligeiramente superior no Japão, revisando a sua previsão para 2% este ano, impulsionado por um aumento no turismo receptivo e uma recuperação nas exportações de automóveis que tinham sido prejudicadas por questões da cadeia de abastecimento.

Mas a classificação econômica do Japão poderá cair ainda mais nos próximos anos – as projeções do FMI posicionam o Japão como prestes a cair para a quinta maior economia do mundo entre 2026 e 2028.

O PIB da Índia parece destinado a ultrapassar o Japão em 2026 e tornar-se-á a terceira maior economia em 2027. Analistas, incluindo da S&P e do Morgan Stanley, estimaram anteriormente que a Índia provavelmente ultrapassaria o Japão e a Alemanha e se tornaria a terceira maior economia do mundo, depois de os EUA e a China, até 2030.

Este mês, durante a sua coletiva de imprensa sobre o World Economic Outlook, o economista-chefe do FMI, Pierre-Olivier Gourinchas, chamou a Índia de “um dos motores de crescimento da economia mundial”.

Nas suas Perspectivas Econômicas Mundiais divulgadas este mês, o FMI desceu a sua previsão de crescimento econômico da China de 5,2% para 5%, dizendo que o país precisaria de aumentar o consumo após um colapso no seu mercado imobiliário.

O Japão havia perdido a segunda posição econômica no ano de 2011 para a China, desde então, o Japão manteve se estagnado enquanto a China expandiu a sua economia. Com a desvalorização do iene, perderá a terceira posição para a Alemanha, correndo o risco de perder mais uma posição nos próximos anos para a Índia.

Em fevereiro de 2011, em conversas com japoneses, fiz o seguinte questionamento: Qual o sentimento de estar perdendo a segunda posição para a China? A resposta foi a seguinte: A China está nos ultrapassando no PIB, mas perde quando o assunto tratado é a Renda per Capita. Desta vez o Japão está perdendo a terceira posição para a Alemanha, e a renda per capita alemã de 2021 foi de US$51.203,55 e a japonesa US$39.312,66. Ou seja, não há como disfarçar a decepção com o argumento da renda per capita desta vez.

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.