106 visualizações 7 min 0 Comentário

OMS demite diretor japonês na Ásia acusado de má conduta racista

- 11 de março de 2023

A Organização Mundial da Saúde demitiu seu principal funcionário no Pacífico Ocidental depois que a Associated Press informou no ano passado que dezenas de funcionários o acusaram de comportamento racista, abusivo e antiético que pode ter comprometido a resposta da agência de saúde da ONU à pandemia de coronavírus.

Em um e-mail enviado aos funcionários na quarta-feira, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse que a nomeação do Dr. Takeshi Kasai foi “encerrada” depois que uma investigação interna encontrou “descobertas de má conduta”.

Tedros não se referiu a Kasai pelo nome, referindo-se apenas ao seu cargo de diretor regional no Pacífico Ocidental. É a primeira vez na história da OMS que um diretor regional é demitido.

“Esta foi uma jornada desafiadora e sem precedentes para todos nós”, escreveu Tedros. Ele disse que o processo de eleição de um novo diretor regional para o Pacífico Ocidental começaria no próximo mês.

O governo japonês, que apoiou a indicação de Kasai para o cargo, se recusou a comentar.

Um resumo de uma investigação interna da OMS apresentada em uma reunião do conselho executivo da agência esta semana em Genebra constatou que Kasai assediava regularmente trabalhadores na Ásia, incluindo o envolvimento em “comunicação agressiva, humilhação pública e (e) comentários raciais”.

Diretores seniores da OMS disseram ao principal órgão de governo da organização que Kasai havia criado uma “atmosfera tóxica”, que os membros da equipe temiam retaliação se falassem contra ele e que havia “falta de confiança” na OMS.

Os funcionários também descobriram que Kasai manipulou pelo menos uma avaliação de desempenho de um subordinado, de acordo com materiais confidenciais obtidos pela AP.

A remoção de Kasai segue uma investigação da AP publicada em janeiro de 2022 que revelou que mais de 30 funcionários não identificados da OMS enviaram uma reclamação por escrito sobre o diretor aos líderes seniores da OMS e membros do conselho executivo da organização.

Documentos e gravações mostraram que Kasai fez comentários racistas a sua equipe e culpou o aumento do COVID-19 em alguns países do Pacífico por sua “falta de capacidade devido à sua cultura, raça e nível socioeconômico inferiores”.

Vários funcionários da OMS que trabalham com Kasai disseram que ele compartilhou indevidamente informações confidenciais da vacina COVID para ajudar o Japão, seu país de origem, a marcar pontos políticos com doações direcionadas. Kasai é um médico japonês que trabalhou no sistema público de saúde de seu país antes de se transferir para a OMS, onde está há mais de 15 anos.

Dias após o relatório da AP, o chefe da OMS, Tedros, anunciou que uma investigação interna sobre Kasai havia começado. Tedros informou à equipe em um e-mail de agosto que Kasai estava “de licença” e outro alto funcionário foi despachado para substituí-lo temporariamente.

A rescisão contrasta fortemente com a relutância da OMS em punir outros autores de comportamento abusivo e às vezes ilegal, incluindo abuso e exploração sexual durante a epidemia de ebola de 2018-2020 no Congo.

Mais de 80 socorristas trabalhando principalmente sob a direção da OMS abusaram sexualmente ou exploraram mulheres vulneráveis; uma investigação da AP descobriu que a administração sênior da OMS foi informada de várias reivindicações de exploração em 2019, mas se recusou a agir e até promoveu um dos gerentes envolvidos.

Um relatório interno recente da ONU descobriu que a resposta da agência a um caso de suposta exploração não violou as regras por causa de uma brecha na forma como a OMS define as vítimas, uma descoberta que especialistas independentes descreveram como “um absurdo”.

Nenhum alto funcionário da OMS ligado ao abuso sexual no Congo foi demitido, apesar da insistência de Tedros de que a agência tem “tolerância zero” para má conduta.

“O que precisamos agora é consistência em como a OMS aplica as regras sobre abuso”, disse Sophie Harman, professora de política internacional na Queen Mary University of London. “Os sobreviventes de abuso e exploração sexual do (Congo) ainda estão procurando por justiça; a OMS tem que mostrar a eles que eles são importantes.”

Javier Guzman, do Centro para o Desenvolvimento Global, disse que ainda falta um sistema de justiça interno robusto na OMS.

“Tomar decisões em casos de alto nível, como o do Dr. Kasai, não é suficiente”, disse Guzman. “A OMS e o Dr. Tedros deveriam fazer melhor para garantir que a política de tolerância zero seja real.”

Estamos há mais de 20 anos no mercado contratando homens e mulheres até a 3º geração (sansei) com até 65 anos, casais com ou sem filhos para trabalhar e viver no Japão, temos mais de 400 vagas e parceria com +50 empreiteiras em diversas localidades. Auxiliamos na emissão do Visto Japonês, Documentos da Empreiteira, Certificado de Elegibilidade, Passagem e mais. Contate-nos via WhatsApp para mais informações sobre empregos no Japão: (11) 95065-2516 📲🇯🇵✨ ©𝐍𝐨𝐳𝐨𝐦𝐢 𝐓𝐫𝐚𝐯𝐞𝐥.
Comentários estão fechados.