Início Mundo ONU e Coreias concordam sobre a retirada de armas da fronteira

ONU e Coreias concordam sobre a retirada de armas da fronteira

307
0
A retirada de postos de guarda e de armas de fogo devem ser feitas até quinta-feira

Nesta segunda-feira (22), o Comando das Nações Unidas (UNC) e as Coreias do Norte e do Sul concordaram sobre a retirada de armas e postos de guarda em Panmunjom, vilarejo que está na área desmilitarizada. O acordo aconteceu nesta semana, e é o mais recente num relacionamento com boa evolução, segundo o Ministério da Defesa de Seul.
A série de conversas que gerou até concordância de ambos os lados para desmilitarizar a fronteira aconteceu em Panmunjom. É uma postura ordenada a um pacto intercoreano firmado em uma cúpula de Pyongyang, no mês passado.
Liderada pelos EUA, o UNC supervisiona os assuntos da zona desmilitarizada desde o final da Guerra da Coreia, de 1950, afirmou na sexta-feira, que apoia esforços das Coreias para o pacto militar.
O acordo aconteceu enquanto os Estados Unidos receiam que uma iniciativa militar entre as Coreias pode acabar com a prontidão de defesa.
Há pretensão de que os vizinhos retirem 11 postos de guarda no raio de 1km da Linha de Demarcação Militar até o final do ano.
Além da retirada dos postos de guarda, eles pretendem retirar as armas de fogo da Área de Segurança Conjunta (JSA) em Panmunjom e diminuir o número de efetivos baseados para 35.
A retirada de armas de fogo e os postos de guarda devem ser realizados até quinta-feira, e uma inspeção conjunta será feito nos dois dias seguintes.
As duas Coreias vêm removendo minas terrestres ao redor da área e confirmaram a conclusão desta operação nas conversas com o UNC.
“Debatemos o cronograma da retirada de armas de fogo e postos de guarda, além de maneiras de ajustar o número de efetivos da guarda e realizar inspeções conjuntas”, declara a Defesa.
Não houve um fim definitivo na Guerra das Coreias, pois houve uma trégua, não um tratado de paz, mas apesar disso, a relação entre elas melhorou no ùltimo ano.

Fonte: Reuters

https://br.reuters.com/article/worldNews/idBRKCN1MW1U4-OBRWD.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here