116 visualizações 4 min 0 Comentário

Production I.G lança o anime The Concierge com ares de 1960

- 29 de outubro de 2023

Ser um concierge numa loja de departamentos de luxo pode ser um trabalho exigente — especialmente quando os seus clientes estão mesmo com a mesma espécie.

Baseado numa série de mangá de dois volumes de Tsuchika Nishimura, “The Concierge” decorre numa loja de departamentos composta por humanos mas patrocinada por animais falantes, de gatos e elefantes a pavões.

A história segue Akino (Natsumi Kawaida), uma concierge em treinamento, enquanto ela aprende as habilidades necessárias para atender às necessidades da clientela multiespécies de alta classe. Em uma série de contos episódicos, Akino tropeça em seus primeiros dias no trabalho enquanto é vigiada por seu gerente de chão, que de repente sai dos corredores e passagens secretas para repreendê-la em suas habilidades de serviço.

Produzido por Production I.G (“Ghost in the Shell”) e dirigido por Yoshimi Itazu (“Welcome to the Ballroom”), “The Concierge” apresenta animação agradável e fluida e uma paleta de cores vívida. Os desenhos de personagens de Chiyo Morita — e o cenário de loja de departamentos old-school e up-scale, onde todos estão bem vestidos, bem-educado e ao seu serviço — evoca a sensação dos anúncios de viagem dos anos 1960.

Há muitas vibrações vintage para dar a volta, mas a nostalgia dos filmes pela era de ouro das lojas de departamento (que ainda pode ser encontrada em lugares como o distrito de Tokyoilitus Ginza) pode atingi-lo de maneira diferente, dependendo da sua preferência pessoal por ser esperado na mão e no pé. Para ser justo, uma cena com um cliente particularmente insistente mostra que até mesmo os concierges mais confortáveis têm seus limites.

O mangá em que o filme é baseado (que, divulgação completa, eu não li) foi elogiado por seu olhar crítico sobre o consumo em massa e destruição ambiental. Se esses temas ainda estão lá na versão anime, eles foram enterrados profundamente abaixo do brilho e brilho da experiência de compra. Se alguma coisa, o filme parecia mais uma celebração do consumismo, embora talvez isso seja a piada: Os seres humanos que uma vez lucraram com a destruição de animais são agora os que servem a todos os seus caprichos.

Em última análise, “O Concierge” é menos sobre temas profundos ou uma narrativa completa do que os acontecimentos humorísticos no local de trabalho de Akino’. Trapalhão e desajeitado, mas sinceramente comprometido com seu novo trabalho, Akino é uma protagonista fácil de ficar para trás, e a porta giratória de animais distintos que ela conhece mantém as coisas frescas.

Relógio em 70 minutos, a experiência é agradável, mas leve. Claro, o tempo de execução não é uma indicação de qualidade — o clássico “Ghost no Shell,” por exemplo, corre algo como 80 minutos. Mas enquanto esse filme conseguiu embalar personagens profundos e uma narrativa coesa (embora às vezes confusa) em seu pacote de sub-90 minutos, “O Concierge” parece mais um piloto alargado para uma potencial série.

Se o filme é qualquer indicação, esta série hipotética certamente valeria a pena conferir. Como é, itroits uma diversão divertida, mas como seu concierge anime, itroits difícil dar-lhe a minha recomendação completa.

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.