164 visualizações 3 min 0 Comentário

Tribunal japonês indefere o pedido de troca de gênero sem cirurgia

- 13 de outubro de 2023

No dia 4, Gen Suzuki (46), um homem transgênero de Haruno-cho, Tenryu-ku, cidade de Hamamatsu, que vive como homem sem se submeter a uma cirurgia para remoção de ovários ou útero, entrou com uma petição para mudar de gênero no Tribunal de Família de Shizuoka/Hamamatsu. Eles argumentam que a Lei de Casos Especiais para Transtornos de Identidade de Gênero, que estipula a mudança de gênero, é inconstitucional porque efetivamente força os pacientes a se submeterem a cirurgias que não desejam. Caso as mudanças não sejam aprovadas, o governo pretende levar o caso ao Supremo.

A lei especial promulgada em 2004 estabelece “requisitos cirúrgicos” para a mudança de gênero no registo familiar. Suzuki, que continua a tomar hormônios masculinos, diz: “Mesmo tendo ovários e útero, pareço me um homem, e isso não tem nada a ver com minha identidade de gênero”. Ela espera mudar seu registro familiar e casar-se oficialmente com a sua parceira, sem realizar a cirurgia. 

A defesa argumenta que os dispositivos da lei especial são inconstitucionais porque violam o direito da família. Numa conferência de imprensa após submeter a sua petição, Suzuki disse: “Estou grata pela lei especial (promulgada em 2003), mas gostaria de perguntar como é agora, 18 anos depois”. Yoko Mizutani, representante da equipe de defesa, criticou a situação atual, dizendo: “Você tem que escolher entre desistir da ideia de mudar de sexo ou aceitar um procedimento cirúrgico invasivo ao seu corpo, que é extremamente doloroso”.

Em janeiro de 2019, o Supremo Tribunal decidiu que a lei especial era constitucional em resposta a uma reclamação semelhante apresentada por um homem na província de Okayama. Por outro lado, vários juízes opinaram que “há dúvidas de que seja inconstitucional” e que “é necessária uma consideração constante”. Há apelos para a eliminação da necessidade cirúrgica tanto a nível nacional como internacional, incluindo o Conselho Científico do Japão e a Sociedade GID (Transtorno de Identidade de Género), à qual os médicos pertencem. Suzuki e sua equipe jurídica estão apelando à compreensão através do site de crowdfunding de litígios de interesse público “Call 4” e estão promovendo suas atividades sob o nome “Sem cirurgia! Um julgamento onde eu quero ser “eu” até mesmo no registro familiar.”

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.