40 visualizações 4 min 0 Comentário

Vingança e Reencarnação: Como ‘Oshi no Ko’ Transforma Animes

- 5 de fevereiro de 2024

Além do Entretenimento: O Obscuro Mundo de “Oshi no Ko”. Mergulhe nas sombras do entretenimento japonês através dos olhos de Aqua, enfrentando temas como exploração e cyberbullying.

Apesar de uma adolescência mergulhada nos esportes, distanciando-me da rica cultura de animes e mangás do Japão, um retorno incentivado por amigos me permitiu explorar esse universo com novos olhos. Entre as descobertas, “Oshi no Ko” emergiu como uma obra singular, marcando uma distinção profunda de histórias convencionais como “Naruto” e “One Piece”. A série, que se traduz como “O Filho do Meu Favorito”, apresenta uma trama envolvente de vingança e reencarnação, diferindo significativamente das jornadas heroicas típicas encontradas em muitos animes.

A história gira em torno de Aqua, um personagem que almeja vingar a morte de sua mãe, uma popular cantora, explorando temas de reencarnação de uma forma única. O protagonista, um fã ávido que reencarna como filho de sua ídola, mergulha no obscuro mundo do entretenimento japonês, revelando suas sombras e complexidades. Este enredo se destaca por abordar questões sérias e contemporâneas, como a exploração na indústria do entretenimento, gravidez na adolescência, cyberbullying e negligência parental, temas pouco comuns nas narrativas mainstream de animes.

O sucesso de “Oshi no Ko” não se limita ao seu conteúdo narrativo; a obra ultrapassou quinze milhões de cópias vendidas, além de ter se destacado em adaptações para animação e música, com a sua popularidade se estendendo a rumores de uma adaptação para filme por gigantes como Toho e Amazon Prime. Este sucesso massivo, no entanto, vem acompanhado de um aviso: a obra aborda temas pesados que podem não ser confortáveis para todos os públicos, exigindo do leitor uma disposição para enfrentar questões sociais profundas e muitas vezes perturbadoras.

“Oshi no Ko” reflete, de certa forma, o sentimento de descontentamento e as preocupações da juventude japonesa em face aos desafios estruturais da sociedade, como o envelhecimento populacional e o declínio econômico. Esta ressonância com os temores e aspirações dos jovens pode ser um dos fatores de seu sucesso, sugerindo uma mudança nos gostos e preferências da audiência ao longo das décadas.

Contrastando com o otimismo e as aventuras fantásticas de “Naruto” e “One Piece”, “Oshi no Ko” se insere em uma tradição de obras que exploram temáticas mais sombrias e realistas, seguindo os passos de clássicos como “Akira” e “Ghost in the Shell”. A popularidade desta obra sugere uma evolução na narrativa de animes e mangás, onde histórias que abordam temas complexos e sombrios ganham destaque, refletindo talvez uma busca por uma maior profundidade e realismo nas obras de entretenimento contemporâneo.

Em suma, “Oshi no Ko” não é apenas um fenômeno cultural; é um espelho das inquietações e transformações da sociedade japonesa, marcando um ponto de inflexão na forma como as narrativas são construídas e recebidas pelo público. Através de sua complexidade temática e sucesso incontestável, a obra desafia os limites do gênero e reafirma o potencial dos animes e mangás como veículos de crítica social e reflexão.