237 visualizações 3 min 0 Comentário

Visto especial para motorista poderá vigorar a partir de 04/2024

- 14 de setembro de 2023

Com o objetivo de combater uma grave escassez de motoristas de táxi, ônibus e caminhão, o Japão planeja expandir a estrutura de vistos existente para trabalhadores qualificados, a fim de atrair estrangeiros nas indústrias de transporte e logística.

Com indústrias lutando especialmente para recrutar novos trabalhadores à medida que os motoristas existentes envelhecem, a expectativa é que a situação desta mão-de-obra continue se deteriorando nos próximos anos.

O diário Mainichi Shimbun informou nesta semana que o governo pretende adicionar uma categoria de motorista de transporte “ para trabalhadores qualificados até o final deste ano fiscal até março de 2024.

Para um estrangeiro habilitar-se é necessário realizar um teste no idioma japonês, tornando-se um obstáculo para os candidatos estrangeiros interessados a vaga. Esta é uma das adequações a ser realizada.

Incomodada com a escassez de mão-de-obra, a Associação de Caminhões do Japão vem pedindo ao Partido Liberal Democrático e aos órgãos governamentais que adicionem a condução como um campo de emprego ao programa de trabalhadores qualificados do país.

A Federação Japonesa de Associações de Aluguel de Táxi e a Associação de Ônibus de Nihon também têm pressionado a contratar estrangeiros.

Há poucos motoristas no mercado, o setor não conseguiu acompanhar a demanda por ônibus fretados. A recuperação do turismo após a pandemia contribui para esta situação, a associação diz.

Quanto ao setor de logística, espera-se que a situação se agrave a partir de abril de 2024, a limitação de horas extras/ano passará para 960 horas.

Se nenhuma medida for tomada para resolver o problema, o setor poderá ter apenas a capacidade de transportar cerca de 35% menos carga em 2030 em comparação com o nível de 2015, de acordo com uma estimativa do Nomura Research Institute.

Em 2021, a média anual de horas de trabalho para um motorista de caminhão pesado era de 2.544, 432 horas a mais do que a média de todos os empregos, enquanto a renda anual era ¥ 4,63 milhões, cerca de 5% abaixo da média de todos os setores.

Naoaki Fujino, estrategista-chefe sênior do Nomura Research Institute, disse que recrutar trabalhadores estrangeiros é uma opção, mas alertou que essa iniciativa não deve ser projetada para explorá-los como mão-de-obra barata, que foi um dos problemas do país Programa Técnico de Treinamento para Estagiários.

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.