Início Destaques Japão Coréia do Sul não respeita acordo feito bilateralmente no passado

Coréia do Sul não respeita acordo feito bilateralmente no passado

451
0
Moon, que negociou conversações entre Washington e Pyongyang, sublinhou que a luta pela independência contra o domínio colonial do Japão está no centro da identidade nacional nas duas Coreias. Foto: The Japan Times

Autoridades em Seul cancelaram a permissão para um novo prédio da embaixada japonesa, citando atrasos na construção, disseram autoridades locais nesta quarta-feira (10), enquanto as relações entre a Coréia do Sul e Tóquio continuam mostrando tensão devido a disputas históricas.

Os vizinhos são democracias, economias de mercado e aliados dos EUA, confrontados com uma China cada vez mais assertiva e com a ameaça de longa data da Coreia do Norte, armada com armas nucleares.

Mas os laços entre os dois permaneceram delicados durante anos devido a discussões amargas decorrentes do domínio colonial da península coreana entre 1910 e 1945 no Japão, como decisões sobre o trabalho forçado em tempos de guerra e a questão das chamadas mulheres-conforto.

O termo é um eufemismo usado para se referir às mulheres que forneceram sexo, incluindo aquelas que o fizeram contra sua vontade, para as tropas japonesas antes e durante a Segunda Guerra Mundial.

Uma estátua de uma mulher de conforto fica do outro lado da rua, em frente à conspiração da embaixada, e desde 1992 os ativistas realizaram comícios semanais no local para exigir uma “desculpa sincera e sincera” de Tóquio.

O prédio anterior da embaixada foi demolido há alguns anos, com funcionários entrando em escritórios em prédios vizinhos, e o terreno agora é um pedaço de terra nua atrás de um muro alto com trepadeiras crescendo através do arame farpado circundante.

As autoridades da cidade deram permissão para um novo prédio de seis andares em 2015, no mesmo ano em que Seul e Tóquio assinaram um acordo controverso para resolver a questão das mulheres de conforto. Mas a construção, que de acordo com a lei sul-coreana deve começar dentro de um ano depois de receber uma permissão, foi repetidamente adiada.

O Japão argumenta que a estátua da mulher do conforto é contrária ao acordo bilateral de 2015, sob o qual Tóquio ofereceu um pedido de desculpas e um pagamento de ¥ 1 bilhão. Mas o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, disse no ano passado que o acordo havia sido assinado por seu antecessor, Park Geun-hye, sem consultar as vítimas coreanas, dissolveu uma fundação criada com fundos japoneses.

Um funcionário do Escritório da Ala Jongno em Seul disse: “Tivemos uma reunião com autoridades japonesas em fevereiro e eles disseram que aceitariam a revogação da permissão, já que não podem iniciar o trabalho de construção devido às circunstâncias em seu país de origem”.

Moon, que negociou conversações entre Washington e Pyongyang, sublinhou que a luta pela independência contra o domínio colonial do Japão está no centro da identidade nacional nas duas Coreias.

Este ano marca o centésimo aniversário do Movimento da Independência do 1º de março e a fundação do Governo Provisório Coreano. A Coréia do Sul está fazendo as paradas para comemorar os dois.

O centro da capital está atualmente enfeitado com grandes cartazes de heróis da luta pela independência produzidos pelo governo.

Fonte: AFP-JIJI, STAFF REPORT

https://www.japantimes.co.jp/news/2019/04/10/national/seoul-city-authorities-cancel-permit-japanese-embassy-building-blaming-construction-delays/#.XK4LwJhKjIU.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here