226 visualizações 7 min 0 Comentário

Destaque da mídia estrangeira trouxe à tona as alegações de abuso sexual de Johnny

- 16 de maio de 2023

Crédito: Japan Times – 16/05/2023 – Terça

Acusações de abuso sexual contra o falecido fundador da gigante do entretenimento Johnny & Associates, uma das maiores agências de talentos do Japão, circulam em revistas e livros há décadas, mas foram as reportagens da mídia estrangeira que finalmente abriram caminho para a cobertura da grande mídia doméstica. imprensa.

Yasushi Hashida, 37, que diz ter sido vítima de Johnny Kitagawa, disse em uma reunião organizada pelo Partido Democrático Constitucional do Japão (CDP) na terça-feira que as reportagens da mídia estrangeira foram fundamentais para trazer a questão à tona.

As medidas para abordar a questão representam “um grande passo”, disse Hashida, acrescentando que seria melhor se o Japão pudesse abordar tais questões no futuro “sem a influência da mídia estrangeira”.

Hashida e Kauan Okamoto compareceram à reunião do CDP para discutir sua provação, após um pedido de desculpas no domingo pela presidente da Johnny’s, Julie Keiko Fujishima, àqueles que alegaram abuso sexual.

Acusações de abuso circulam desde pelo menos 1965, quando o semanário Shukan Sankei publicou uma história incluindo uma citação de um membro do Johnny’s alegando que Kitagawa abusou sexualmente dele.

Em 1988, Koji Kita, um ex-membro da boy band Four Leaves, escreveu um livro detalhando sua própria suposta experiência de abuso nas mãos de Kitagawa.

Mais revelações vieram em 1999, quando o Shukan Bunshun publicou semanalmente uma série descrevendo o suposto abuso de Kitagawa por vários meninos que ele orientou.

O New York Times e o The Guardian relataram as alegações em 2000 após a cobertura da revista semanal, mas apesar de um número crescente de acusadores, os principais meios de comunicação domésticos os ignoraram amplamente.

Uma possível explicação é que as redes de TV têm contado fortemente com as estrelas do Johnny’s para notícias e programas de variedades. Isso provavelmente alimentou o medo de que reportagens negativas sobre a agência pudessem fazer com que as personalidades fossem retiradas dos programas da rede, causando sérios problemas para os produtores e potencialmente prejudicando a audiência.

“Na verdade, acho que foi preciso alguém de fora para contar essa história, porque havia muitos relacionamentos entre a agência e a mídia no Japão”, disse Megumi Inman, diretora e produtora de um documentário da BBC que investiga o abuso, durante uma entrevista. Conferência de imprensa de março no Clube de Correspondentes Estrangeiros do Japão.

Após o lançamento do documentário em março, os principais meios de comunicação nacionais, especialmente emissoras e jornais, começaram a noticiar o assunto. Quando Okamoto, que alegou ter sido abusado sexualmente por Kitagawa de 15 a 20 vezes, deu uma entrevista coletiva sobre sua provação em abril, foi a FCCJ que sediou o evento, com seus comentários sendo divulgados por várias organizações de mídia estrangeiras.

Em seu livro de 2005, Shogo Kiyama, um ex-membro do Johnny’s, também lamentou que, apesar de vários livros e entrevistas em revistas terem sido publicados sobre o suposto abuso, nunca foi denunciado pelas emissoras e Kitagawa nunca foi punido.

“Desde que fiz as acusações, a luta contra o Johnny’s foi como uma formiga tentando morder um elefante”, escreveu ele, segundo o Bengo4.com, um site de notícias sobre assuntos jurídicos. “Acabamos de perceber o quão impotentes somos e como o poder maligno de Johnny prevaleceu.”

Após a recente onda de cobertura, detalhes sobre supostos abusos estão ganhando atenção renovada, inclusive durante a reunião de terça-feira organizada pelo CDP.

Akimasa Nihongi, 39, ex-membro da agência de talentos, enviou uma carta para a reunião detalhando o suposto abuso de Kitagawa, que ele disse ter começado três meses depois de ter sido aceito na Johnny’s Jr., uma parte da Johnny & Associates. Ele disse que foi abusado sexualmente mais de 10 vezes durante um período de seis meses.

“Saí da empresa depois de dois anos, mas a provação me deixou traumatizado e teve um impacto profundo em minha vida”, disse Nihongi na carta. “Isso destruiu minha auto-estima.”

Com as alegações de abuso agora fazendo manchetes no mercado interno, as supostas vítimas expressaram esperança de que os formuladores de políticas criem um sistema para evitar a reincidência.

“Os adultos são os únicos que podem proteger as crianças”, disse Hashida. “Espero poder ajudar (o CDP) a elaborar uma legislação eficaz.”

Na terça-feira, o secretário-geral do CDP, Katsuya Okada, disse que revisar a lei de abuso infantil é uma opção, mas alertou que, mesmo que as leis sejam revisadas, isso não marcaria o fim da questão.

“O abuso foi cometido em uma ampla gama de situações com uma clara dinâmica de poder, e há uma grande possibilidade de haver muitas vítimas”, disse Okada.

Foto: Japan Times (Kauan Okamoto (à direita) e Yasushi Hashida, ex-membros da agência de talentos Johnny & Associates, participam de uma reunião organizada pelos legisladores do Partido Democrático Constitucional do Japão na terça-feira para discutir alegações de abuso sexual contra o falecido Johnny Kitagawa. | KYODO)

Comentários estão fechados.