132 visualizações 6 min 0 Comentário

Nevomo, startup desenvolve veículo movido a indução magnética

- 3 de dezembro de 2023

Tanto trens quanto automóveis lineares. Uma startup polonesa está a desenvolver tecnologia que tira o melhor dos dois mundos. Diz-se que as Ferrovias Nacionais Francesas e outras empresas estão interessadas na tecnologia, que utiliza levitação magnética para circular nos trilhos existentes. O que exatamente é essa nova tecnologia?

◇ Usando a rede ferroviária existente, a medida que o veículo com rodas aumentou a sua velocidade, subiu cerca de 2 centímetros a cerca de 70 km/h e depois acelerou para 135 km/h. Em setembro deste ano, a start-up polonesa Nevomo conduziu com sucesso uma experiência em que um boogie pesando cerca de 2 toneladas flutuou numa pista de testes em Nowa Sarzyna, no sudeste do país. O boogie tem rodas, mas em vez de um motor girando as rodas como um trem normal, o veículo usa a força de ímãs instalados na carroceria e nos trilhos para funcionar.

A característica deste sistema, denominado “Magrail”, é que ele utiliza linhas ferroviárias existentes. Um sistema de indução eletromagnética será instalado nos trilhos e ímãs serão instalados na lateral do veículo para operá-lo como um automóvel linear. No futuro, o objetivo é correr a uma velocidade de 300 km/h em rotas convencionais e 550 km/h em rotas de alta velocidade. A maior vantagem deste sistema é que pode aproveitar a rede ferroviária existente.

O automóvel linear supercondutor que está sendo construído atualmente pela JR Central requer uma linha dedicada, e a construção exige custos enormes, incluindo a aquisição de terrenos. Os Magrails são instalados em trilhos existentes, o que reduz custos. Mesmo que um novo sistema seja adicionado aos trilhos, os trens regulares ainda poderão operar.

◇Diz-se que não só aumentará a velocidade, mas também criará novas formas de utilização das ferrovias. Num trem normal, apenas a locomotiva tem energia, os outros veículos não podem se mover sozinhos. No entanto, Magrail utiliza eletricidade e magnetismo como fontes de energia, portanto não há necessidade de locomotiva, e cada trem pode ser movido individualmente controlando remotamente a corrente elétrica.

Nebomo planeja aproveitar essa vantagem e primeiro colocá-la em prática no setor de carga. O sistema foi concebido para ser utilizado de forma que cada veículo de carga carregado com contêineres seja movimentado como um robô de transporte de carga. A empresa pretende celebrar um contrato de utilização de carga comercial no primeiro semestre de 2024 e começar a operar rotas limitadas no mesmo ano. No entanto, existem muitos obstáculos técnicos a superar para realizar o transporte de passageiros, o que deverá ocorrer por volta de 2030. Para o transporte de passageiros, é necessário levitar automóveis de passageiros de 20 a 30 toneladas, incomparavelmente mais pesados ​​que os carrinhos utilizados no experimento.

◇Um “trunfo” para a descarbonização? Ainda assim, a tecnologia está a atrair a atenção na Europa porque se espera que ajude a combater as alterações climáticas. Na Europa, há um movimento crescente para evitar a utilização de voos de curta distância, a fim de reduzir as emissões de gases com efeito de estufa. Tornar linear a já extensa rede ferroviária permitiria viagens de alta velocidade para várias partes da Europa e poderia servir como uma alternativa aos voos de curta distância. A União Europeia (UE) e o governo polonês fornecerão um total de 5,5 milhões de euros (aproximadamente 900 milhões de ienes) em subvenções. A UE também disponibilizou financiamento adicional de até 17,5 milhões de euros. A empresa ferroviária nacional francesa SNCF e a empresa nacional de infraestrutura ferroviária italiana RFI também manifestaram interesse e já assinaram um memorando de entendimento para cooperação com a empresa.

Kaczper Koniarski, um dos fundadores da Nebomo e chefe de gestão de produtos, disse numa entrevista ao Mainichi Shimbun: “Gostaríamos de revitalizar as ferrovias como medida contra o aquecimento global. As ferrovias europeias e japonesas têm uma alta taxa de utilização. É caro, mas ainda há muito espaço para expansão do uso”, disse ele, indicando seu desejo de expandir para o Japão.

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.