Um feriado de Ano Novo excepcionalmente tranquilo no Japão é esperado este ano, já que o governo, a partir de segunda-feira, proibirá visitantes estrangeiros de entrar no país e suspenderá um programa doméstico de viagens com desconto.

A implementação das medidas veio depois que Tóquio registrou 708 novos casos de COVID-19 no domingo, um dia depois que o Japão viu um recorde de 3.881 infecções, incluindo uma alta de 949 na capital . As novas medidas visam reduzir o número de casos o mais rápido possível, principalmente os casos graves que requerem atendimento hospitalar. Muitos governos locais estão alertando que estão ficando sem leitos hospitalares para pacientes gravemente enfermos e que não têm pessoal médico suficiente para lidar com o aumento de infecções.

No sábado, sete pessoas que haviam chegado ao país da Grã-Bretanha estavam infectadas com uma nova variedade mutante do coronavírus e, em meio aos recordes em Tóquio e em todo o país, o governo anunciou na noite de sábado que iria parar de emitir vistos entre segunda-feira e final de janeiro.

A nova diretiva significa que a maioria dos estrangeiros “não residentes” não poderá entrar no Japão de segunda-feira até o final de janeiro. Haverá uma exceção para viajantes a negócios de 11 países e territórios, a maioria deles na Ásia, incluindo China, Coréia do Sul, Tailândia, Vietnã, Taiwan e outras nações com as quais o Japão tem acordos que abrandaram as restrições de viagens.

Estrangeiros não residentes que obtiveram vistos antes de segunda-feira, em princípio, terão permissão para entrar no Japão. No entanto, aqueles que permaneceram na Grã-Bretanha ou na África do Sul dentro de 14 dias do pedido de visto terão sua entrada proibida.

Os estrangeiros residentes que retornem ao Japão poderão entrar no país. Junto com os japoneses que retornam, eles serão solicitados a isolar-se em casa ou em um hotel por duas semanas após a chegada.

No entanto, os cidadãos japoneses, bem como estrangeiros residentes e não residentes de países que não estão sujeitos à proibição de entrada, devem apresentar documentação comprovando que não estão infectados, caso sejam provenientes ou tenham permanecido em países e territórios onde a nova cepa do vírus foi confirmado. Eles devem testar o vírus pelo menos 72 horas antes de sua partida para o Japão.

A proibição e as novas restrições começam no mesmo dia em que começa a suspensão da polêmica campanha governamental de viagens domésticas Go To Travel. O programa foi elaborado para ajudar Tóquio e as economias regionais que foram duramente atingidas pelo enorme declínio do turismo em meio à pandemia. O primeiro-ministro Yoshihide Suga anunciou em 14 de dezembro que a campanha seria suspensa de segunda a 11 de janeiro.

Suga disse a um comitê parlamentar no mês passado que não havia evidências de que a campanha Go To Travel foi a principal causa do aumento de casos COVID-19. Em uma entrevista coletiva na sexta-feira, ele disse que as inflexões ligadas à campanha eram baixas, mas que o programa estava sendo interrompido devido à sua má comunicação sobre a política do governo para o coronavírus.

“A campanha Go To Travel começou em julho e foi usada por 70 milhões de pessoas, resultando em apenas 340 infecções confirmadas. Tem contribuído muito para sustentar as economias regionais ”, disse Suga.

“Porém, há preocupações e dificuldades em entender as políticas que lidam com o vírus e promovem a campanha Go To ao mesmo tempo. Também há aspectos de minhas próprias explicações que têm sido insuficientes ”, acrescentou.

Muitos governos locais estão ansiosos para que os turistas comecem a voltar a partir de 12 de janeiro. Na semana passada, todos os 47 governadores de províncias pediram ao governo central que considerasse a reabertura da campanha de viagens Go To em etapas, permitindo ofertas de viagens com desconto para as áreas do país onde as infecções diminuíram.

Vale ressaltar que o status de não residentes referem-se aos estrangeiros que não possuem descendência japonesa ou que não irá solicitar o visto (turismo ou business) conforme as regras especiais para descendentes de japoneses até a sua terceira geração. Os descendentes de japoneses que solicitam o visto japonês para trabalho e de longa permanência são considerados “residentes”.

Um item que não está esclarecido até o momento da edição desta matéria está relacionado sobre a continuidade da emissão da Certidão de Elegibilidade pelo Órgão de Imigração do Japão e a emissão dos vistos para descendente de japoneses pelos consulados espalhados no Brasil.

Tão logo tivermos esta confirmação estaremos publicando em primeira mão.

Portal Mundo-Nipo
Sucursal Japão Tóquio
Jonathan Miyata

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.