194 visualizações 6 min 0 Comentário

Carlos Ghosn promete lutar contra as acusações, mas não voltará ao Japão

- 18 de julho de 2023

Crédito: Japan Times – 18/07/2023 – Terça

O ex-presidente da Nissan, Carlos Ghosn, que fugiu do Japão para o Líbano após sua prisão em 2018, prometeu combater as acusações contra ele, mas diz que isso não envolverá um retorno ao país.

“A Nissan terá que pagar pelo que fizeram a mim e à minha família”, disse Ghosn na terça-feira, falando por videoconferência durante uma coletiva de imprensa no Clube de Correspondentes Estrangeiros do Japão, em Tóquio. “A Nissan criou muitos danos… danos que não podem ser reparados.”

Em junho, ele abriu um processo criminal de US$ 1 bilhão no Líbano pedindo US$ 588 milhões em remuneração perdida e outros US$ 500 milhões em danos morais.

“Quero garantir que todos os criminosos e conspiradores não possam dormir tranquilos em suas camas”, disse Ghosn, mas contestou a caracterização de que estava em busca de vingança.

Ghosn já foi uma figura proeminente na indústria automobilística global e, em certo momento, o executivo mais bem pago do Japão. Seu salário às vezes era controverso e atraiu o escrutínio da mídia, enquanto sua grande personalidade o tornava uma figura polarizadora no mundo corporativo do país.

Mas ele também foi elogiado por guiar a Nissan em anos desafiadores, com sua liderança creditada por colocar a montadora em uma posição mais forte do que os rivais domésticos.

Ghosn foi demitido do cargo de presidente da empresa em 2018 e de membro do conselho no ano seguinte, após alegações de má conduta financeira: ele teria deturpado sua renda durante um período de cinco anos e usado indevidamente os ativos da empresa para ganho pessoal, acusações que ele fez negado. Ele foi preso e passou 129 dias encarcerado.

Sua dramática queda em desgraça e subsequente fuga do Japão – supostamente empacotado em um estojo de instrumentos Yamaha – chamou a atenção global. Ghosn argumentou que sua queda foi resultado de uma conspiração corporativa para derrubá-lo e lançou uma série de desafios legais.

Nobuo Gohara, advogado e ex-promotor que representa Ghosn como consultor jurídico, disse na mesma entrevista coletiva que inicialmente esperava que Ghosn permanecesse no Japão, mas que a decisão de seu cliente de fugir era inevitável e inevitável devido à maneira como o funcionamento do Ministério Público Especial, que ele caracterizou como injusto.

“Desde minha prisão, eu já tinha (mentalidade) que iria escapar”, disse Ghosn em resposta a perguntas sobre sua decisão de fugir. Ele admitiu que “talvez” tenha perdido a superioridade moral dos supostos maus-tratos ao fugir do Japão, mas também chamou isso de uma leitura ingênua da situação, por causa do que descreveu como o “sistema de justiça de reféns” do país.

O ex-chefe da Nissan, que falou em frente a uma estante adornada com fotos de família, livros e um carro modelo vermelho, falou duramente sobre o estado atual da colaboração entre a Nissan e sua parceira de aliança Renault – no passado, ele era considerado um elo importante entre as montadoras japonesas e francesas, que trabalham em parceria desde 1999.

“Depois da minha prisão, a aliança foi quebrada, você teve um grande show com grandes palavras, mas na verdade nenhum trabalho foi feito … a confiança foi perdida”, disse ele, declarando que uma vez perdida, não há nada que possa ser feito.

Ele disse que a aliança produziu “enormes resultados”, mas foi interrompida em 2018 com sua prisão. As duas montadoras têm agora uma “minialliance” com “escopo reduzido”, disse ele, e que sua cooperação será pequena no futuro.

As duas empresas deveriam formalizar uma nova estrutura de relacionamento até março, mas isso ainda não aconteceu. A Nissan anunciou no mês passado a saída do COO Ashwani Gupta, com relatos indicando que ele estava saindo em meio a reclamações internas e confrontos de personalidade.

Ghosn se referiu à situação interna como uma “novela”, dizendo que a empresa “manto e espada continua”.

Foto: Japan Times (O ex-executivo da Renault-Nissan, Carlos Ghosn, participa de uma coletiva de imprensa com seu advogado no Clube de Correspondentes Estrangeiros do Japão, em Tóquio, via link de vídeo na terça-feira. | AFP-JIJI)

Comentários estão fechados.