134 visualizações 2 min 0 Comentário

Embaixada do Japão na China recebe muitas ligações de protestos

- 28 de outubro de 2023

PEQUIM – Cerca de 1 milhão de ligações incômodas foram feitas à Embaixada do Japão em Pequim desde que a liberação no mar de água radioativa tratada da usina nuclear danificada de Fukushima começou no final de agosto, disseram fontes do governo japonês na sexta-feira.

Tóquio pediu repetidamente ao governo chinês que intercedesse a favor para cessar as ligações, dizendo que elas impedem as operações na embaixada, mas não houve resultados.

Devido ao crescente sentimento antijapão na China em meio à feroz oposição de Pequim à liberação, o número diário de ligações de assédio recebidas pela embaixada atingiu o pico de mais de 40 mil em 25 de agosto, um dia após o início da liberação, e permaneceu em cerca de 15.000 por dia recentemente, disseram eles.

Na maioria dos casos, os interlocutores criticam duramente o Japão pela libertação de água ou permanecem em silêncio. As ligações também incluíram ameaças de bomba, disseram as fontes.

O embaixador japonês na China, Hideo Tarumi, abordou os apelos de assédio e enfatizou a necessidade de “recuperar os sentidos” para melhorar as relações bilaterais no seu discurso num fórum realizado em Pequim na semana passada.

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Mao Ning, disse em entrevista coletiva na sexta-feira que a China “sempre protegeu a segurança das embaixadas” de acordo com a lei, bem como “os direitos e interesses legítimos dos cidadãos estrangeiros na China”.

Em resposta à descarga de água, a China impôs uma proibição geral de importação de produtos pesqueiros japoneses.

Portal Mundo-Nipo

Sucursal Japão – Tóquio

Jonathan Miyata

Comentários estão fechados.