82 visualizações 3 min 0 Comentário

Os EUA Reforçam Defesa no Pacífico, o Plano Contra China!

- 2 de fevereiro de 2024

Descubra como os EUA e a Austrália estão redefinindo a segurança global contra a China. O futuro da defesa no Pacífico começa aqui: uma aliança que pode mudar o jogo.

Durante os exercícios Talisman Saber no verão passado, as forças dos EUA e da Austrália não apenas demonstraram aprofundamento da cooperação de defesa diante das ambições militares crescentes da China, mas também solidificaram uma estratégia crucial: a formação de novos arsenais militares na Austrália. Essa movimentação reflete a preocupação crescente dos Estados Unidos e seus aliados com a possibilidade de a China, sob a liderança de Xi Jinping, tentar assumir o controle de Taiwan, levando os EUA a reforçar sua prontidão militar e logística.

O equipamento deixado na Austrália – cerca de 330 veículos, reboques e 130 contêineres – representa um avanço significativo na capacidade logística dos EUA, essencial para suporte em futuros exercícios, desastres naturais ou conflitos. O general Charles Flynn, comandante do Exército dos EUA no Pacífico, expressou o desejo de expandir essa estratégia para outros países da região, visando mitigar uma das maiores vulnerabilidades dos EUA em um potencial conflito sobre Taiwan: a logística militar.

A estratégia americana de dispersar seus centros logísticos militares pela região, incluindo armazéns na Austrália, visa garantir uma mobilidade e distribuição eficazes das forças dos EUA, em resposta ao risco de ataques chineses a suprimentos de combustível e navios de reabastecimento. Isso inclui a criação de um centro logístico provisório em Bandiana, Austrália, com planos de estabelecer uma área de apoio logístico duradouro em Queensland.

A preocupação com a capacidade dos EUA de responder a conflitos no Pacífico Ocidental é amplificada pela constatação de que a logística militar dos EUA, uma vez focada na eficiência do modelo “just-in-time”, agora deve se adaptar para um modelo “just in case”, aumentando a dispersão de arsenais e o pré-posicionamento de suprimentos. A recente mudança estratégica reflete um reconhecimento das novas realidades de segurança e a necessidade de uma resposta mais robusta e ágil a potenciais conflitos futuros.

Comentários estão fechados.